Caso elucidado

Polícia conclui inquéritos de mutilações em Venceslau

Autor do crime foi novamente ouvido na quinta-feira, e disse aos policiais que encontrou os órgãos genitais das vítimas ao acordar em sua casa

  • 12/01/2019 05:13
  • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação

O indivíduo acusado de mutilar os pênis de três homens nas proximidades de uma praça no centro de Presidente Venceslau, na madrugada do dia 31 de dezembro, foi novamente ouvido pela Polícia Civil na quinta-feira. Na ocasião, ele passou detalhes do crime e informou ter se desfeito dos órgãos sexuais mutilados em um saco de lixo. Depois de ouvir testemunhas, vítimas e autor, a Polícia Civil encerrou os três inquéritos e aguarda exames psicológicos que trarão resultados sobre a sanidade mental do acusado. Ele permanece preso na Penitenciária Zwinglio Ferreira (P1 de Venceslau), onde cumprirá pena em regime fechado.

O delegado Everson Aparecido Contelli explica que no começo da investigação as dificuldades surgiram pelo fato de que as vítimas foram mutiladas enquanto estavam sob o efeito de bebidas alcóolicas. No entanto, conforme os investigadores foram juntando provas para localizar o autor dos fatos, à medida que o estado de saúde das vítimas se estabilizava, foi possível encontrar o acusado na madrugada do último sábado, conforme noticiado por este diário. “A todo o momento ele negava os fatos, e apresentava contradições quando colocado em frente às provas. Em um terceiro momento, o interrogamos mais uma vez e optamos por colocá-lo na cena do crime, mostrando imagens e a tesoura utilizada”, relata a autoridade.

De acordo com Contelli, foi na quinta-feira que o rapaz acabou confessando que havia mutilado os pênis das vítimas durante os encontros, contudo, não apresentou motivos e invocou um lapso de consciência. “Neste momento, ele contou que depois de ter cometido o crime acordou na residência onde morava, olhou ao lado do colchão e observou as partes dos órgãos. Diante disso, ele teria limpado o sangue do ambiente e depositado as partes em um saco de lixo” que, conforme a investigação, ficou na frente da casa por pelo menos dois dias. 

Perfil discreto

Contelli afirma que o acusado é uma pessoa aparentemente tranquila e “boa de conversa”. Apesar disso, foram solicitadas análises psicológicas para avaliar a sanidade mental do preso. “Há algum tempo ele prestava serviços à comunidade, mais especificamente em casas da família. Desta forma, as atitudes dele passavam despercebidas e ele acabava sendo aceito por onde andava”, relata o delegado. Ainda foi verificado que o rapaz entedia sobre vinhos, cozinha e sabia se expressar.

Apesar de tais características, o passado do indivíduo não era de conhecimento da sociedade. De acordo com a autoridade policial, o preso ficou em cárcere durante 13 anos por atentado violento ao pudor contra homens menores de idade, atualmente considerado crime de estupro. Antes da prática cometida no fim do ano, o homem respondia pelos crimes em regime aberto na Penitenciária 1 de Presidente Venceslau, para onde foi conduzido em regime fechado.

Ainda não se sabe a ordem cronológica dos crimes, uma vez que as vítimas estavam alcoolizadas, o que dificulta a definição. Mas, testemunhas ouvidas informaram que a ação do mutilador ocorreu em uma praça no centro da cidade, o que foi constatado por câmeras de segurança de estabelecimentos vizinhos que filmaram a presença do autor e das vítimas. Conforme o HR (Hospital Regional) Doutor Domingos Leonardo Cerávolo, os pacientes de 48 e 63 anos já receberam alta hospitalar. A reportagem não obteve informações sobre o estado de saúde do homem de 50 anos, internado na santa casa de Venceslau.