COTIDIANO

Quais nossos interesses?

  • 03/04/2019 04:26
  • Marcos Alves Borba

Caminhamos talvez a passos largos, é o que neste momento o mundo nos oferece e nos convida a entendê-lo e segui-lo. Mas, em determinados momentos, tentamos ser cautelosos aos nossos impulsos, por acreditarmos que a nossa verdade é a que realmente prevalece, vamos tocando em frente. Todo esse processo de construção que queremos alcançar, já há algum tempo, estamos vendo e revendo o que caminhos desafiadores que nos propõem encarar o sentido de nossa existência.

Hoje e mais ainda, por mais difícil que estejam às coisas, nos deparamos com o grande sacrifício que o mercado nos credencia como em determinado momento o empecilho das máquinas que nós mesmos criamos. Grande parte de empresas acreditam que essa revolução poderá ser o grande diferencial do desenvolvimento de qualquer país, se assim entendermos e desejarmos o tal crescimento. E, por mais que em determinados momentos podemos não suportar essas mudanças, o caminho ficará mais distante se formos contra o sistema, isto é, contra a maré. Podemos chamar isso de evolução, crescimento e desenvolvimento que toda nação prospera quando seu povo almeja e uma gestão bem definida caminha para que tudo isso seja possível, e que dê tudo certo.

As escolas, instituições, empresas, igrejas, ONGs (organizações não-governamentais), etc... todo e qualquer lugar que existirem pessoas, precisam de uma maneira muito salutar e consciente não só entender, mas participar para que essas mudanças façam parte de um processo em crescimento e de resultados. Algum tempo atrás, e não muito distante parecia que estávamos num cenário que melhor poderia ficar sempre ao povo: viver de pão e circo. Talvez, e até não poderia isso voltar mais a tona, mas devido um ritmo totalmente fora de órbita que parecia que uma determinada história seria possível.

Ao nosso entender, parece que essas mudanças nos confrontam de tal maneira que qualquer caminho que tomarmos não irá fazer nenhuma diferença. Nada disso, nossa percepção precisa estar muito atenta aos nossos interesses, desde que isso contribua de forma responsável e muito produtiva. Tanto é, que muitos projetos, ações de relevância a uma população interessada, se todos correm atrás, buscarem seus interesses, dá resultado e funciona mesmo. Que bom, que maravilha, e pelo visto deu e dará certo. Pelo visto o Estado entendeu, depois de muitos apelos e justificativas lógicas, com afinco aos alicerces já muito bem estabelecidos, o Projeto Guri na região dará continuidade a sua verdadeira história. Isso é muito bom, e esperamos que mais possibilidades de interesse da nossa população, possam não só voltar as suas origens, mas dá um sentido lógico quando muitos e muitos adolescentes e crianças buscam um lugar ao sol. Estamos mexendo e trabalhando com pessoas, há necessidade urgente de uma atenção especial e muito amor e carinho.

Essa força motriz desse povo que se uniu, é sem dúvida a mola mestra, onde seja na educação, no esporte, na cultura, na saúde, e dentre tantos outros itens de grande relevância possa fazer parte de uma região que busca a cada dia sua liberdade de crescimento e desenvolvimento. Por menor que seja uma intenção, tende sua importância e necessidade, ela precisa se unir a outros fatores que possibilitem qualidade de vida com honestidade e muito trabalho.