Tráfico entre universitários precisa ser combatido

EDITORIAL -

Data 18/04/2020
Horário 04:09

Não é de hoje que a Polícia Civil investiga o tráfico de drogas entre estudantes universitários de Presidente Prudente. No entanto, durante o período de isolamento social no Estado de São Paulo, o combate tornou-se ainda mais frequente, uma vez que os agentes constataram que os traficantes continuam comercializando os entorpecentes mesmo nesta época, um risco ainda maior à saúde pública, especificamente a dos estudantes que moram em repúblicas universitárias.

No intervalo de uma semana, a Deic (Divisão Especializada de Investigações Criminais) e a Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) prenderam dois traficantes em Prudente que comercializavam drogas em bairros universitários. As ações foram constatadas durante campana dos agentes policiais, que observaram a venda de drogas na cidade. Um dos presos é estudante do último ano do curso de Geografia, e morava em uma república.

É esse tipo de comércio ilegal que alimenta as bocas de fumo nestes bairros, principalmente em dias de festas, quando o fluxo de estudantes aumenta nas ruas – todos com um único objetivo: a diversão. Descontração momentânea que alimenta a venda de entorpecentes. Há casos em que os traficantes apenas revendem, outros, consomem e também ganham o seu lucro. Neste meio, é importante se reinventar para que “o produto” seja atrativo, como a “maconha gourmet” (maconha mais potente), apreendida em ação na quinta-feira.

Numa época em que os jovens levantam bandeiras contra diversos assuntos debatidos em sociedade, por que não incentivar ações para combater o consumo de drogas? Consequentemente, irá refletir na atuação dos traficantes, que poderá perder força para este público. Afinal, quem está na universidade não precisa consumir droga para “pagar de descolado e moderno”. Droga é droga, como o próprio nome já diz!

A força da juventude tem movido tantas barreiras... já está na hora de ver o trabalho policial como parceiro e contribuir para garantir a segurança e saúde pública. De que forma? Denunciando! Quanto mais casos chegarem ao conhecimento da polícia, o combate tende a ser mais intensificado.

Veja também