Jean Ramalho - Itens infantis são os mais requisitados na Fogos e Alegria

Foto: Jean Ramalho - Itens infantis são os mais requisitados na Fogos e Alegria

TRADIÇÃO

Venda de fogos para o Réveillon

Com a chegada das festas de Ano Novo, o comercio de fogos de artificio estima um crescimento de 80% a 100% em relação a outros meses do ano; as cores são o principal fator de escolha

  • 29/12/2019 08:42
  • PEDRO SILVA - Especial para O Imparcial

É tradição que após a meia noite do dia 1° de janeiro os céus estejam iluminados com os fogos de artifícios coloridos e de vários estilos. Nesse período do ano, as lojas especializadas no artigo têm um faturamento próximo a 100%.

Segundo Cristiane Vanessa Bertasso, proprietária da Fogos & Cia, a expectativa é que para esse ano as vendas sejam 5% maior que no mesmo período de 2018. “O final do ano é o melhor período para o nosso segmento, então, em comparação aos outros meses esperamos um aumento de 80% nas vendas”, destaca. Os fogos coloridos, “vulcões” e apitos são os itens mais procurados pelos clientes. Cristiane ainda comenta que os fogos de artifício com menor densidade de som vêm sendo cada vez mais solicitados.

O movimento em relação aos demais meses do ano dobra na Casa de Fogos São João, é o que diz o proprietário Carlos Magno Rabelo. Ele comenta que as cores dos fogos é um dos principais pontos que os cientes levam em consideração na hora da compra.

“Nosso faturamento cresce 100% nesse período e, em relação ao ano passado, está bem equilibrado. Esperamos um aumento por volta de 5%”, comenta a proprietária da Fogos e Alegria, Izabel Cristina Nunes. Os “fogos infantis”, como traques, estalos e fósforos coloridos são muito requisitados, tudo para iluminar a noite e trazer alegria a todos.

DIVERSÃO COM

RESPONSABILIDADE

O Corpo de Bombeiros alerta para os perigos e precauções com os fogos de artificio. Em nota, a corporação aponta que todos os anos, por falta de cuidados simples e essenciais, muitos adultos, crianças e adolescentes acabam sofrendo graves ferimentos, como queimaduras, amputações traumáticas, lesões na face, mãos e em outras partes do corpo. “Lembramos que os fogos de artifício são classificados como explosivos, exigindo cuidados no seu manuseio, pois se caracterizam pela grande liberação de energia e deslocamento de ar, podendo desta forma resultar em graves acidentes”, expõe.

Os Bombeiros sinalizam que a regra geral é que a compra seja realizada em “empresa idônea” e com os licenciamentos em dia. As pessoas devem seguir as instruções descritas na embalagem, regras de segurança e de utilização, bem como observar a data de fabricação, validade e a faixa etária para qual o produto foi desenvolvido. “Deve se evitar soltar fogos em locais de concentração pública e sempre manter os espectadores uma distância segura”, pontua.