08 de janeiro de 2017 às 04h05 - Região
Imprimir
RSS

Anastácio deve sancionar lei

por VICTOR RODRIGUES-Da Redação

 

O prefeito de Santo Anastácio, Roberto Volpe (PMDB), deverá sancionar nesta semana a lei que dispõe sobre o tratamento da LVC (leishmaniose visceral canina). O projeto de lei foi aprovado na última sessão extraordinária de 2016, ocorrida em 21 de dezembro, na Câmara Municipal, de autoria do vereador Jair da Pirâmide (PPS). A medida visa oferecer aos donos de animais portadores da doença, alternativas de tratamento, sem ser preciso a prática da eutanásia. “Este projeto ainda está no Departamento Jurídico, mas, ainda nesta semana, deveremos sancioná-la. Esta primeira semana da gestão foi turbulenta, mas agora teremos mais tempo para dar atenção a isso”, comenta o chefe do Executivo anastaciano.

Cães com leishmaniose visceral poderão ter tratamento também em Santo Anastácio

O prefeito diz que a medida é positiva e representa um avanço para o município. “A situação deve ser tratada com muita atenção. Lamento, apenas, que o tratamento seja tão caro, na faixa de R$ 1,5 mil, mas não podemos negar que é uma grande alternativa de salvar nosso animal de estimação”, relata.

Roberto acrescenta que a Prefeitura não tem condições de auxiliar com as despesas do tratamento de cães de famílias carentes, em virtude do atual cenário econômico. Mas ele acredita que, no futuro, com a situação financeira regularizada, poderá existir a possibilidade de ajudar de alguma forma. “Quem sabe, não é mesmo? Por enquanto, não tem jeito. Mas pensaremos em um modo de ajudar no futuro “, frisa.

Com a lei, o proprietário do animal com resultado positivo para LVC poderá optar pelo tratamento, com a supervisão e a coordenação da SMS (Secretaria Municipal de Saúde), arcando com as despesas, caso contrário, deverá entregar seu animal ao CCZ (Centro de Controle de Zoonose), que adotará o procedimento autorizado pelo Decreto Federal 51.838, de 14 de março de 1963, e pela Portaria Interministerial 1.426, de 11 de julho de 2008, expedida pelos ministérios da Saúde e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Na região, Presidente Prudente também já conta com a autorização.