07 de janeiro de 2017 às 09h50 - Esporte
Imprimir
RSS

Atletas de PP esperam por mais Apoio às Modalidades

por THIAGO MORELLO-Da Redação

Grandes nomes do esporte prudentino falam sobre os projetos e metas para este ano, no atletismo, futebol, beisebol, basquete e ciclismo, incluindo incentivo e novos patrocínios

 

A saída de um ano para outro é sempre marcada por promessas. Mas também é o momento de realizar desejos e traçar novas metas. No meio desportivo, isso não é diferente. Questionados à base da pergunta “O que você espera do esporte para 2017?”, grande nomes das modalidades de Presidente Prudente relatam quais são os principais objetivos e realizações que esperam para o novo ciclo. A melhoria no apoio social e novos patrocínios são os pontos mais desejados.

Paulo:”Ano terá programação voltada às escolas municipais”

Na largada das perspectivas, o velocista Bruno Lins, participante das Olimpíadas do Rio de Janeiro, espera por um ano mais difícil e com novos desafios. “2017 será um ano com novos atletas. Os Jogos Olímpicos impulsionaram a vontade de muitos jovens, então aparecem novos talentos. É o ano em que completo 30 anos e o que aprendi é que, com mais experiência, a cobrança é maior. Minha meta pessoal é chegar no mundial de Londres, que será realizado em agosto. Já para o esporte em geral, eu rezo para que esse período de crise se afaste logo, pois isso reflete no número de patrocinadores. Além disso, ainda é preciso entender que o futebol é uma paixão nacional, mas não é o único esporte. Precisamos ser democráticos”, afirma.

O futebol pode até não ter problema com o incentivo e a mobilização social, entretanto, segundo o técnico do PPFC (Presidente Prudente Futebol Clube), Arthur Vinicius Marcelo, a modalidade também enfrenta problemas. “Os times menores, de cidades do interior, sofrem para ter uma boa ascensão. Eu espero que 2017 seja viabilizado com muitos contratos fechados, com bons patrocinadores. Com isso, poderemos mostrar que temos um time competitivo e que tem capacidade para ganhar. O futebol é sim uma paixão, mas chegar com força total e ter uma boa estrutura precisa mais do que amor, precisa de investimentos”, relata.

E tratando-se de transações, é o que norteia o cenário do beisebol prudentino. Para o técnico do time masculino da Acae/Hinomoto/Semepp, Paulo Yamane, as expectativas para este ano é realizar um trabalho com as escolas municipais de Prudente. “A Acae tem feito um trabalho social e que, por ventura, revelou nomes. Mas acredito que a gente precisa intensificar mais os trabalhos, por isso pensaremos numa programação com as instituições de ensino. A ideia é promover o esporte e trazer mais adeptos, a fim de que 2017 também traga mais amantes pela modalidade, mais prestígio por parte da população”, diz.

Vitorioso do Campeonato Paulista de Basquete, com o sub-16, o técnico José Alves da Silva Junior, Negativo, mais que uma expectativa, tem uma missão para o próximo ano: reestruturar o time. “A boa campanha com o time abriu portas para os meninos. Para a próxima temporada, perdemos oito jogadores. Esperamos que em 2017 possamos repetir os feitos e ter mais suporte financeiro. Além disso, seria ideal a CBB [Comissão Brasileira de Basquete] resolver os trâmites da resolução que impede os atletas nacionais de disputarem jogos no exterior. E que a troca de governo municipal possa trazer boas resoluções para o cenário esportivo”, ressalta.

Em sua campanha, o prefeito Nelson Bugalho (PTB) relatou a possível construção de um velódromo, o que animou os representantes do ciclismo de Prudente. Conforme Eber de Almeida Boscoli, coordenador da Escola de Ciclismo Nelson Ricardo Cardoso Pelozi, o apoio do poder público em 2017 é mais que esperado, é necessário. “Esse ano foi muito difícil para a economia, então precisamos desta volta. Que esse ciclo que vai se iniciar possa deixar pra trás todos os problemas. Só a Boscoli demitiu 15 funcionários nos últimos tempos. É o momento de se reerguer. Precisamos de ajuda”, finaliza.