História

O Imparcial

Fundação e sucessão

2 de fevereiro de 1939, por Heitor Graça e Manuel Honofre de Andrade. Heitor Graça chegou a Guarucáia (antigo nome de Presidente Bernardes), em 1938. Em 1943 o jornal foi vendido a Edgard Ângelo Zilocchi.

Em 1948, Zilocchi vendeu O Imparcial para Roberto Santos.

Em 1º de janeiro de 1995, o jornal foi vendido por Roberto Santos à Editora “Imprensa” Ltda., de Propriedade de Mario Peretti, Adelmo Santos Reis Vanalli e Deodato da Silva.

 

 

 

 

 

Razões sociais

  • 1939 a 1965: Empresa de Negócios e Publicidade “O Imparcial” Ltda.
  • 1966 a 1968: Editora “SP” Ltda (constituída por Mario Peretti e Geraldo Soller)
  • 27 de agosto de 1968: Editora “Imprensa” Ltda.
  • Sócios da Editora “Imprensa” Ltda., editora do Jornal O Imparcial:
    • Fevereiro de 1957: Mario Peretti
    • Outubro de 1966: Deodato da Silva
    • Janeiro de 1967: Adelmo Santos Reis Vanalli

Desde sua fundação em 1939, como consta de seu primeiro editorial, O Imparcial pretendeu ser mais que um jornal local, porque em torno de Presidente Prudente floresciam outros municípios – hoje são 33, nos quais, todas as manhãs ele circula simultaneamente, graças a um eficiente sistema de transporte.

Era a consciência de que Presidente Prudente, como cidade-sede não prosperaria, se essas comunidades permanecessem isoladas, sem uma tribuna de suas reivindicações. Já naquela ocasião, o jornal se antecipava ao que viria tomar corpo e importância, decênios após, na Europa e nos EUA, o jornal regionalizado. Um jornal que tem sobrevivido por 70 anos a todas as crises políticas e econômicas do País, dependendo exclusivamente de suas receitas em anúncios e de sua circulação paga, conquistou sua independência, não estando pois, atrelado a grupos políticos e econômicos. Como resultado dessa postura, é hoje credor de grande credibilidade regional.

Também por todo esse tempo passou por vários avanços da tecnologia, desde a utilização do tipo móvel em máquina plana, para as rotativas modernas e pela informatização. O Imparcial, embora um jornal do interior, conta com um design moderno, comparável aos grandes jornais brasileiros, de circulação nacional.
Mesmo que, de forma sintética o noticiário nacional e internacional, do dia a dia, coloca nossos assinantes atualizados com os grandes acontecimentos, graças ao abastecimento feito à redação por várias agências de noticias e um quadro de colaboradores de primeiro nível como, Alexandre Garcia, Gaudêncio Torquato, Álvaro Pereira, Marcos Cintra, Cristovam Buarque, Carlos Chagas, Reginaldo Lemes, Cláudio Humberto,Flávio Araújo, Renata de Luca, Pedro de Almeida Nogueira, Hélio Martinez, Silio Boccanera, Maria Angélica Amorieli Bongiovani, Juliano Borges, Marilandes Ribeiro Braga, Paulo Pereira da Costa, Giba UM e diversos colunistas locais, devidamente selecionados. Com eles garantimos ao leitor uma pluralidade de opiniões, uma tribuna verdadeiramente liberal.

As pesquisas que realizamos freqüentemente refletem uma posição de vanguarda entre os jornais, inclusive sobre os que chegam da capital, pela maior circulação de O Imparcial.

 

1939 a 1968
  1. Composição em chumbo e impressão em máquinas planas, compreendendo dois períodos distintos:
  2. Composição com tipos móveis, com utilização de componedores, impressão em máquina plana;
  3. Composição em linotypos e impressão em máquinas planas;

Composição em chumbo

Mário Peretti opera linotypo na década de 1960

Mário Peretti opera linotypo na década de 1960

1969 a 1975
  1. Composição em chumbo (linotypos) e impressão em máquina rotoplana;

Rotativa Mann, na década de 70

Rotativa Mann, na década de 70, impressão original em telhas de chumbo, e na década de 80, adaptada para imprimir com matrizes de NAPP e NYLON PRINT, produção americana e alemã, respectivamente

1975 a 1986
  1. Composição em chumbo (linotypos) e impressão em máquina rotativa.

Composição em chumbo (linotypos) e impressão em máquina rotativa

Neste período, a produção gráfica do jornal ganhou maior velocidade. Com aquisição da impressora Man (alemã), a preparação das páginas em chumbo composto nas linotypos, incluía ainda os procedimentos de calandragem em “flongs” e fundição nas “telhas” em forno abastecido com 3 mil quilos de chumbo. Importante observar que as ilustrações (fotos e anúncios) nestes três períodos eram produzidas através do processo de zincografia, que compreendia a gravação de imagens e traços utilizando-se fotolito e ácido.

1986 a 1995

Paginação com fotocomposição (Forma e IBM Composer), pré-impressão com filme matiado e chapas polimerizadas (Nylo-print/Alemanha e Napp/Estados Unidos).

A adoção do novo sistema de produção a partir de chapas polimerizadas exigiu importantes adaptações na rotativa Man, como a substituição das telhas de chumbo por selas de alumínio no primeiro momento e depois, de forma definitiva, a usinagem e imantação dos cilindros de impressão. A montagem das páginas reunia os textos produzidos em máquina IBM/Composer e Formas e as imagens (fotos e anúncios), elaboradas em papel fotográfico (PMT) em substituição aos clichês zincografados. O passo seguinte consistia em revelar em filme matiado, a imagem da página em sua exposição na chapa polimerizada (Nylo-print) e gravação em água aquecida a 60 graus centígrados.

1995

Impressor OffSet, marca GOSS, modelo Community

A mais significativa mudança na produção gráfica na existência do jornal foi com o advento da impressão em Offset. A nova fase compreendeu três grandes investimentos:

Compra de um novo prédio para abrigar as novas instalações, em 25/novembro/1994, com 1.252,30 m² de área construida, na Rua Ernesto Rotta, 83 – Jardim Novo Bongiovani;

Aquisição de um novo conjunto impressor OffSet, marca GOSS, modelo Community, com 4 unidades e dobradeira, de origem americana. A máquina foi comprada junto à Sociedade Boaventura, de Caxias do Sul-RS em 16/novembro/1995;

Compra de equipamentos para pré-impressão junto ao mercado americano, através da Cia. T. Janér (SP) em dezembro de 1997. Computadores, processadora Image-setter, prensa de luz NUARC e reveladora de fotolito da marca Agfa, são alguns dos equipamentos que foram adquididos no grande investimento feito nesse período;

Realizadas a reformas no novo prédio e efetuados testes de pré- impressão e impressão (alinhamento e calibragem), o jornal passou a ser produzido em todas as fases:

  • 1 de abril de 1995: mudança para o prédio localizado à Rua Ernesto Rotta, 83 – Jardim Novo Bongiovani
  • 6 de abril de 1995: início da impressão – P&B
  • 30 de abril 1995: primeira edição em cores.
  • 2009: Dentro das comemorações dos 70 anos, o jornal promoveu a expansão do seus sistema de impressão, com a inauguração 12 de abril de 2009 de uma torre de 4 unidades Goss Community, acopladas às unidades remanescentes. Os equipamentos, de alta tecnologia foram adquiridos junto ao mercado norte americano, através da Cia.T. Janer.

Impressor OffSet, marca GOSS, modelo Community

 

Proibida reprodução sem autorização por escrito da Editora “Imprensa” Ltda. – R. Ernesto Rotta, 83, Jd. Novo Bongiovani, Presidente Prudente-SP-Brasil

Filiação ao IVC
Instituto Verificador de Circulação
Auditoria inaugural: 26 a 29 de maio de 1995
Filiação/aprovação: 13 de junho de 1995

Diretor de Redação
Adelmo S. R. Vanalli – RPJ nº 8068
Diretor Administrativo
Deodato da Silva

 

Adelmo S. R. Vanalli - RPJ nº 8068

Diretor de Redação
Adelmo S. R. Vanalli – RPJ nº 8068

 

 

 

Deodato da SilvaDiretor Administrativo
Deodato da Silva