Festival de Bobagens 

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista a favor do vigário e contra a vigarice

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 12/12/2020
Horário 05:30

Tem coisas que a gente conta e as pessoas custam a acreditar na verossimilhança (desculpem o “palavrão”) de tais fatos, mas este filho de dona Ema (quando nasci eu era filhote de Ema) só conta a verdade nua e crua, sem mentira vestida e cozida. 
Mas deixemos de vã filosofia, pois isso não nos permite comprar uma van novinha em folha, e narremos os “acontecidos”. Não faz muito tempo, uma apresentadora de televisão em Presidente Prudente entusiasmou-se ao falar de um grupo musical que se apresentaria na cidade. Até aí tudo bem. O que ficou estranho foi quando a colega anunciou uma das músicas do repertório, o clássico bolero “Besame Mucho”, sucesso mundial, que está até em trilha sonora de filme russo e de filme chinês. 
“Eles vão apresentar ‘Besame Mucho’, de Carlos Gardel”, disse a prezada jornalista ao pedir uma palhinha aos músicos no jornal da hora do almoço. Como é que é? O francês Carlos Gardel, criado no Uruguai e radicado na Argentina, é o compositor do bolero mais famoso de todos os tempos?  Ledo engano, dona Leda. Bem que Gardel gostaria de ter composto esse bolero, mas o autor é outro. 
Ou outra. “Besame Mucho” é de autoria da compositora mexicana Consuelo Velasquez. Tremenda desinformação da apresentadora. Ela não pagou mico, pagou um King Kong, mas deixa pra lá, pois, afinal, a mídia, principalmente o rádio, parece não ter o compromisso de divulgar o nome do compositor e, às vezes, nem o nome da música é divulgado. 
Também não faz muito tempo uma televisão de Araçatuba proporcionou momentos hilários em um de seus telejornais. O apresentador chamou um repórter para falar de futebol. Se não me engano, o rapaz estava em uma rádio e, do estúdio, ele fez um flash pro telejornal. 
De repente, não mais que de repente, como diz o verso de Vinicius de Moraes, o repórter começou a falar de um clube espanhol. Na verdade, um clube basco. A todo momento ele mencionava o “Atlético de Bilau”, motivo mais do que suficiente para o apresentador interrompê-lo e explicar que o nome correto é Atlético de Bilbao. 
Talvez com problema de surdez, o rapaz não ouviu direito a ponderação do colega e continuou falando do “Atlético de Bilau”. Com tanto bilau no ar, deram um drible no moço e o calaram de vez. Vai ver – e pensando bem - pode ser que o repórter não seja um mentecapto completo. Ele apenas levou tudo ao pé da letra – ou à mão da letra, sei lá –, e foi o mais fiel possível em sua narrativa. 
 O prezado colega deve ter levado em consideração que um time de futebol é formado por 11 marmanjos de Bilau, que dizer, bilau, sem contar os jogadores reservas. Se fosse o time feminino, será que ele causaria espanto se falasse do “Atlético de Perereca”? Ou “Atlético de Perseguida”? 
Melhor do que essas gafes só mesmo a campeoníssima, do século 20, protagonizada por $ílvio $antos. Há muito tempo, ainda na Globo, o apresentador quis saber a procedência de um calouro, e perguntou ao candidato a cantor: “De que cidade de João Pessoa você é?” Vai ver, para $$, Paraíba era apenas a capital do Estado de João Pessoa. 
Deixando de lado a televisão, onde besteira pula mais do que pipoca e os preços, conto dois “causos” do rádio. Numa rádio paulistana, o locutor apresentava um programa musical, no melhor estilo “vamos ouvir e acabamos de ouvir”, quando ficou em dúvida sobre a pronúncia do nome da música que seria tocada em seguida. 
Era o Ray Conniff e sua versão do “Tico-tico no Fubá”, clássico choro de Zequinha de Abreu, que correu o mundo e já é centenário. Antes de prosseguir com esse papo, lembro que Zequinha nasceu em Santa Rita do Passa Cinco, quer dizer, Passa Quatro, terra natal do Salomão Ésper, que, como é óbvio, deu os primeiros passos em Santa Rita antes de se mandar de mala e cuia para São Paulo. 
 Mas, dizíamos, o locutor teve uma baita dúvida e, por fim, optou por anunciar o “Tico-tico no Fubá” como se fosse música americana. Afinal, era a orquestra do Ray Conniff. Ele pronunciou o título, digamos, “em inglês”. E caprichou na pronúncia: “Nós ouvimos Ray Conniff e sua orquestra executando ‘Taico-taico no Fiubei’”. Jogou fubá no ventilador. E mais não disse nem lhe foi perguntado. 
A clássica marcha carnavalesca “O teu cabelo não nega”, de Lamartine Babo e dos irmãos Valença, também foi vítima de pronúncia errada em outra rádio paulistana. O apresentador tocou o disco e, na hora de dizer o nome, foi um deus nos acuda. 
Mais nervoso do que o mercado financeiro, o moço assim falou: “Ouvimos "O teu cabelo não, nega”. Assim mesmo, com o “e” de nega fechado. Se naquela época já existisse o politicamente correto, esse rapaz poderia ir em cana acusado de racismo e por reprovar o penteado da mulata.  

DROPS

O sonho de todo atleta é ter um Umbro amigo.

Quem semeia vento colhe energia eólica.

Podem ir depressa com o andor porque o santo é de ferro.

O Brasil está do jeito que Deus não gosta.
 

Veja também