Isadora Crivelli - Membros da Apeoesp se reuniram em frente ao HR para protestar

Foto: Isadora Crivelli - Membros da Apeoesp se reuniram em frente ao HR para protestar

VISITA DE DORIA

Apeoesp faz reivindicações em protesto

  • 21/02/2020 04:02
  • THIAGO MORELLO - Da Reportagem Local

Enquanto a harmonia rolava no interior do HR (Hospital Regional) Doutor Domingos Leonardo Cerávolo, em Presidente Prudente, em meio ao evento que anunciou investimentos para a região do oeste paulista, o clima do lado de fora estava mais tenso. Na ocasião, manifestantes e servidores à frente da Apeosp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial Estado de São Paulo) aproveitaram a visita do governador do Estado, João Doria (PSDB), para realizar um protesto e levar reivindicações pertinentes à classe.

Segundo o coordenador regional do sindicato, William Hugo Correa dos Santos, na pauta, eles reclamaram sobre o reajuste salarial, “que está defasado em 29%, comparado ao piso nacional dos professores”. Além disso, prestaram indignação contra o superávit de 11% para 14% na contribuição - com base no texto da reforma da previdência estadual apresentado na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).

Ainda conforme William, a classe citou a “precarização do Iamspe [Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual] e o sucateamento da educação”, uma vez “que salas de aulas foram fechadas, gerando lotação em outras”, bem como o aumento de disciplinas no quadro curricular - inovação tecnológica - que não podem ser “atendidas por falta de estrutura”.

“EDUCAÇÃO: ÁREA

COM MAIS RECURSOS”

Conforme a Assessoria de Imprensa do Governo do Estado, a área da educação é a que mais recebe recursos do governo de São Paulo. O conjunto de programas da Secretaria da Educação tem orçamento de R$ 32,6 bilhões. Em novembro, a pasta lançou o plano de modernização de carreira dos professores, que já inclui piso de R$ 3,5 mil para 2020 – aumento de 35,4% sobre o valor atual de R$ 2.585,00. Em janeiro, o órgão confirmou investimento de R$ 1 bilhão para melhorias das escolas da rede estadual. Do total, R$ 630 milhões foram repassados via programa Dinheiro Direto na Escola para atender demandas essenciais de 5.004 unidades. “O governo dialoga com as categorias e zela pela estabilidade financeira e o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal”, expõe.

Com relação a supostos fechamentos de classes, informa que a secretaria segue a Resolução SE 2, de 8/01/2016, que estabelece 30, 35 ou 40 alunos por sala de aula, de acordo com recursos físicos disponíveis e ciclos. Em 2020, foram abertas 1.108 salas de aula em Prudente.

Acrescenta que o governo destina aportes anuais expressivos para o Iamspe. Neste ano, a previsão é de R$ 537,9 milhões, quase 10% acima dos R$ 490 milhões de 2019. No ano passado, R$ 274,52 milhões (56% do total) foram disponibilizados pelo Tesouro, ante R$ 215,56 milhões (44%) vindos de contribuições dos usuários.