Memórias da Fafi

OPINIÃO - Priscila Guimarães Lebrão

Data 06/10/2019
Horário 04:05

Há 56 anos, um grupo de jovens ansiosos, sonhadores e cheios de expectativas começava sua jornada como acadêmicos na Fafi (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras) de Presidente Prudente.

Eu era aluna do curso de Pedagogia e muitas coisas aconteceram ao longo dos quatro anos de vida universitária e as recordações são tantas que fica um pouco difícil colocá-las todas no papel.

Algumas coisas estão mais presentes em minha memória como as famosas quermesses promovidas pelo Centro Acadêmico 3 de Maio; os jogos de futebol entre alunos x professores, realizados anualmente, para comemorar o aniversário da Fafi; as festas de confraternização de Natal; a mobilização dos alunos nas campanhas para eleição de cada nova Diretoria do Centro Acadêmico; as manifestações de rua com críticas à gestão da instituição; as assembleias do Centro Acadêmico com a presença da Polícia, durante a Revolução de 1964.

Foram quatro anos de muitos estudos e pesquisas orientadas pelos docentes que nos acompanharam ao longo desse período. A maioria dos professores veio de fora e acabou fixando residência em nossa cidade. Alguns deles viajavam semanalmente e ministravam aulas somente aos finais de semana.

A esses professores, pioneiros na história da Fafi, e que contribuíram de maneira decisiva para a formação e sucesso profissional de muitos alunos, rendo minha homenagem e agradecimento: padre Barata, Myrthes, Bonilha, Pacca, Petronio Coutinho, Jairo Cândido de Melo, Sumi Butusgan, Litholdo, Helena Faria de Barros e Tereza Marini.

Veja também