Não pire

OPINIÃO - Walter Roque Gonçalves

Data 02/05/2020
Horário 05:07

Os grupos de WhatsApp, mídias sociais e alguns jornais abarrotam e confundem a percepção e julgo daqueles que buscam informações a fim de se atualizar. Em um momento se vê caixões enfileirados e agora empilhados, em Manaus no Amazonas, para enterrar vítimas da Covid-19. Em outro momento, chegam mensagens no celular que mostram pessoas afirmando que seus entes morreram de outros males e não a Covid-19 e foram enterrados como se fossem. Tem ainda aquela imagem de uma mulher carregando um caixão sem fazer força, dando a entender que caixões vazios foram colocados em meio a outros com corpos para criar pânico e histeria na população. No que acreditar?

O país já polarizado entre esquerda e direita, agora parece dividido entre aqueles que não acreditam na pandemia e outros que visualizam corpos empilhados no Brasil inteiro, antes mesmo de acontecer. Não acredito que tudo isso seja um sonho ruim, seria muito bom que fosse, e muito menos que teremos a situação de Manaus refletida em todo país.

O país agora parece dividido entre aqueles que não acreditam na pandemia e outros que visualizam corpos empilhados no Brasil inteiro

Entretanto, ao que tudo indica, há mais casos de mortes e infectados do que o anunciado; são as subnotificações amplamente divulgadas nos jornais que estimam números 15 vezes maiores do que os divulgados até o momento. Para ajudar, é nítido que há forças políticas interessadas na queda do atual presidente, e quanto pior as coisas estiverem, melhor para estes interesses.

O empresário que precisa evitar as demissões para salvar o que resta da economia está no meio do “fogo cruzado”. Sem saber muitas vezes o que pensar e o que fazer. O fato é que o vírus existe e é letal: os cuidados precisam ser tomados, os decretos em vigor devem ser obedecidos, mas também contestados dentro da lei e democraticamente. Resta ao empresário ser criativo para vencer neste momento! E, diante de tantas restrições, precisa fazer acontecer, para tanto: foco nas necessidades do cliente, venda com os recursos que estão disponíveis e o restante deixe na mão de Deus, não pire!

 

 

 

 

Veja também