José Reis - Conforme Prefeitura, com revitalização, camelódromo contará com infraestrutura adequada

Foto: José Reis - Conforme Prefeitura, com revitalização, camelódromo contará com infraestrutura adequada

EMPRESA CONTRATADA

Prefeitura assina termo de contrato para revitalização do camelódromo

Das sete propostas apresentadas, a que mostrou o menor valor para o serviço foi a da empresa Spalla Engenharia Eireli, com sede em São Paulo, no valor de R$ 2,9 milhões

  • 20/09/2019 07:18
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

A Prefeitura de Presidente Prudente publicou ontem, em seu Diário Oficial, o termo de contrato da empresa que será responsável pelas obras de revitalização do camelódromo. Conforme noticiou este periódico, no fim de julho ocorreu a abertura de envelopes com as propostas financeiras de unidades que se propuseram a executar a revitalização do camelódromo. Das sete propostas apresentadas, a que mostrou o menor valor para o serviço foi a da empresa Spalla Engenharia Eireli, com sede em São Paulo. O contrato, por vez, representa o valor de R$ 2.956.042,05.

De acordo com a Secom (Secretaria Municipal de Comunicação), a Prefeitura de Presidente Prudente informa que foi assinado o termo de contrato com a empresa a ser responsável pela revitalização do camelódromo e pretende expedir o quanto antes a ordem de serviço para início das obras. No entanto, será necessário aguardar o desfecho da audiência de conciliação, marcada para 26 de setembro, para definir a data de início efetivo dos trabalhos, mas ressalta que serão aproximadamente oito meses de obras.

Por sua vez, o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Rodnei Rena Rodrigues, explica que a empresa contratada executará toda a parte hidráulica, contra incêndio, coberturas, paisagismo e revitalização da praça, mas que aguarda o início dos trabalhos.

Segundo a Prefeitura, na remodelação do camelódromo, será construído um novo prédio para abrigar os boxes, com toda a infraestrutura adequada - elétrica, hidráulica e de segurança. Também está prevista a criação de uma praça de alimentação, seguindo todas as normas exigidas pela Vigilância Sanitária.

Histórico

Como noticiado ontem por este periódico, a situação do Shopping Popular ganhou mais um desdobramento nesta semana, uma vez que a Prefeitura encaminhou à Justiça, na terça-feira, um pedido de audiência de tentativa de conciliação. A medida menciona a decisão da Justiça que atende a uma ação civil pública movida pelo MPE (Ministério Público Estadual) em 2014, que pleiteava a desocupação da Praça da Bandeira. No caso, a Vara da Fazenda Pública exigiu ao município que reduzisse o número de boxistas instalados no Shopping Popular, respeitando o número de 240 espaços estipulado pelo Decreto 16.462/2004, que instituiu o camelódromo.