“O esporte de arrancada tem tido grande ascensão econômica,  social e esportiva em todo Brasil”

André Roberto Silva, representante da Associação de Pilotos Lista Área 18

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 06/06/2021
Horário 04:15

Representantes da Associação de Pilotos Lista Área 18 de Presidente Prudente, André Roberto Silva, 45 anos, e Hugo César apresentaram ao prefeito Ed Thomas um projeto para viabilizar a construção de uma pista avançada ao esporte automotor, a fim de que seja implantada, futuramente, no pós-pandemia, na cidade. “O esporte de arrancada tem tido uma grande ascensão econômica, social e esportiva em todo Brasil. Atualmente em Prudente temos mais de 100 pessoas que praticam esse esporte, mas que pela falta da pista vão até outras cidades como Londrina ou Maringá”, disse o representante da Associação de Pilotos Lista Área 18 de Prudente.

Também estavam presentes na reunião o vice-prefeito Izaque Silva, o diretor de Esporte da Semepp (Secretaria Municipal de Esportes de Presidente Prudente), Rodrigo Rodrigues de Araújo e o coordenador das Praças Esportivas, Cidinho Lourenção. Além de Fernando Deltrejo representando o vereador Douglas Kato que é um apoiador da solicitação da associação.

 

André do que se trata o esporte automotor?
Esse esporte é mundial na estância do tipo, depois ele desce para esporte nacional onde são 24 listas, ou seja, 24 times homologados do Brasil, dentre as quais a Área 18 é uma delas [com a pista a intenção é inserir Prudente no calendário Nacional]. Depois desce para a estância regional que é definida pelo DDD Área 18 que são 108 municípios. Todas essas cidades usufruirão e participarão das provas na pista de Presidente Prudente. 

 

Quantos pilotos prudentinos formam a entidade atualmente? 
Corre hoje na categoria regional de Presidente Prudente (Área 18 - 108 municípios) 52 pilotos classificados de Araçatuba, Assis, Bilac, Birigui, Penápolis, Prudente, Regente Feijó, enfim, de todas cidades da área 018. Oito dos que estão efetivamente no Top 20 que é o mais alto nível da nossa categoria são de Presidente Prudente. Os demais são pilotos do DDD 018.

 

Qual a importância de defender a implantação de uma pista para o esporte automotor no município? 
Temos exemplos de cidades paranaenses como Balneário Camboriú, Londrina, Maringá, Toledo, Curitiba, Porto Alegre (RS), aonde o mercado automotivo, o hoteleiro, turismo, combustível, autopeças se desenvolveu de forma absurda com o desenvolvimento dessa pista. Porque ela parte de um esporte automotor e abre um precedente pra que a gente tenha esporte e cultura em Presidente Prudente. Temos também uma parceria a ser desenvolvida com a Polícia Militar para usar essa pista como área de formação, uma vez que, trabalhamos contra rachas de rua que em algumas cidades reduziu-se muito, inclusive, os níveis de infrações, de acidentes. Sem contar que esse esporte de arrancada nesse modelo socializa o automobilismo. 

 

Não é um evento caro para o grande público?
Ele é diferente da Stock Car que é muito elitizado, muito caro. É um esporte que é caro para participar, mas o público vai ter acesso como lazer e entretenimento aos fins de semana pelo menos uma, duas, três até quatro vezes ao mês a baixo custo (preços em torno de entradas a R$ 30) para ver carros que hoje são vistos somente pela televisão, no Youtube ou em outras plataformas na internet. Então é um desenvolvimento social, econômico e que vai colocar Presidente Prudente dentro de um calendário nacional. Ou seja, se Presidente Prudente é pouco percebida no mercado do automobilismo ela passará a um cenário muito diferente porque este projeto alavanca comércio, autopeças, hotelaria, rodovia, tudo melhora sem contar a ação social porque em todas as provas a gente fará ações voltadas à arrecadação de alimentos, de recursos para entidades sociais, que hoje já temos uma parceria com a Prefeitura para arrecadar agasalhos...

 

A administração foi receptiva à ideia? Prudente dispõe de áreas para comportá-la? 
A administração pública, o prefeito Ed Thomas está pensando de forma muito positiva. Ele tem índices, a percepção desse desenvolvimento de que isso traz muitos benefícios sociais e econômicos. O prefeito é muito receptivo. Ele tem essa iniciativa como projeto de retomada da pandemia. Estamos num momento mundial muito sensível, mas acreditamos que esteja correta a ação de começar a trabalhar desenvolvimentos como este para retomada após pandemia. E para que assim tenhamos uma ferramenta a mais para ajudar a melhorar a vida da população com um pouco de lazer, de entretenimento e, economicamente, uma vez que, na pista terá a abertura para food-trucks. A questão da área está em análise em busca do melhor local, então até o momento a gente não consegue dizer efetivamente aonde seria o local. Tem siam algumas áreas em vista, mas dependem de uma análise técnica, no caso nossa para viabilizar, e da análise econômica, ou seja, o prefeito está pensando no aproveitamento ideal de um local que seja da Prefeitura e que comporte toda a dinâmica dessas provas.  

 

Como é a estrutura da pista?
Para viabilizar a prática esportiva, a estrutura deve contar com a pista oficial de corrida de aproximadamente 600 m (metros), sendo 50 m de cabeceira de pista, 201 m de percurso de prova e 350 m de área de frenagem, além dos muros de concreto, espaço para o público e food-truck. Essa pista conta com total aparato, recursos de segurança, inspeção, regulamentação e tudo mais.

 

Qual seria o investimento necessário e que retorno isso traria para o município? 
Essa parte orçamentária está em vias, sendo feito todos os orçamentos, projetos para mensurar essa possibilidade. O que a gente sabe é que esse retorno é muito grande. Londrina é uma referência pra gente, que tem dentro do autódromo municipal essas provas hoje, arrecada muito e isso reverte para a sociedade e para o desenvolvimento desse local. Pelo modelo da pista, o local que está sendo também terá aspecto multiuso podendo servir para a realização de encontros, apresentações, desfiles, etc. Não conseguimos ainda precisar números, mas o que sabemos sabe é que esse desenvolvimento reflete uma melhora social, econômica para as empresas e população de Presidente Prudente muito diferente e melhor do que se tem hoje.

 

A pista seria uma forma de fomentar o turismo da cidade?
Uma prova dessa em Londrina atrai de 5 a 15 mil pessoas em um final de semana e leva 52 carros para essas disputas como food-trucks, lojas, produtos destinados e não destinados, confecção, alimentação, entre outros. E a expectativa, e o projeto que a gente da Área 18 tem é que essa pista não seja somente para essa categoria chamada de Lista Área 18, mas que venha popularizar com outras quatro que nós teremos intercalando provas da lista que é o mais alto nível com carros de alta potência e altos investimentos. Uma pista dessas coloca Presidente Prudente no mesmo nível de Curitiba, Londrina, Campo Grande, Toledo, todas com investimentos públicos, municipais, estaduais e Porto Alegre, que é gerida por uma grande empresa daquela região.


 

“O esporte de arrancada tem tido uma grande ascensão econômica, social e esportiva em todo Brasil. Atualmente em Prudente temos mais de 100 pessoas que praticam esse esporte, mas que pela falta da pista vão até outras cidades como Londrina ou Maringá”, disse o representante da Associação de Pilotos Lista Área 18 de Prudente

 

 

Veja também