13 de Maio

Sandro Villar

O Espadachim, um  cronista a favor da cloroquina... para curar malária

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 13/05/2021
Horário 05:30

Completam-se hoje os 133 anos da libertação (?) dos escravos no Brasil. Assinada pela princesa Isabel, em 1888, a Lei Áurea determinou o fim da escravidão. Antes da princesa sancionar a lei, havia mais de 700 mil escravos no Brasil, principalmente no Sudeste.
A maioria se concentrava nessa região por causa das lavouras, sobretudo de café, como ocorria em São Paulo, com grandes cafezais. Uma vergonha nacional: o Brasil foi o último país a acabar com a escravidão.
Depois da decisão da princesa Isabel, os escravos recém libertados não tiveram qualquer apoio ou guarida, como aconteceu nos EUA. Lá, o presidente Lincoln, que era um homem bom, deu um pedaço de terra e duas mulas para cada família retirada da escravidão.
E no Brasil? Ah, por aqui a coisa se complicou: os ex-escravos ficaram ao deus dará, completamente sem rumo e isso não é exagero de minha parte. Como afirmei acima, os coitados não tiveram qualquer apoio do governo de então, no caso, a Monarquia.
Aos poucos foram se estabelecendo e muitos foram morar nos morros do Rio de Janeiro formando comunidades, denominadas, depois, de favelas. Hoje, a elite do atraso teme a descida do morro, como já foi cantada em prosa e verso.
Nos tempos atuais, a situação dos negros continua difícil, como também é difícil a situação dos brancos pobres. Eles não têm vez e não sei se um dia terão vez.
A escravidão é abjeta e o racismo é uma praga impregnada na sociedade. Não se enganem: o racismo no Brasil é mais perverso do que nos EUA. Basta conferir os casos quase que diários e os comentários nas redes sociais. Negros são muito xingados. Maldade "das pió", como diz Luiz Gonzaga na bela canção "Assum Preto”.
Todas as vidas importam e todos têm direito a uma vida digna. Os racistas que se cuidem. Um dia a casa cai. É bom que eles saibam que todos nós somos filhos originários de uma mulher negra africana, segundo alguns pesquisadores. Ela teria dado início à raça humana. Por falar em raça, só existe uma raça: a raça humana. Abaixo o racismo e danem-se os racistas, esses biltres que envergonham a humanidade.

DROPS

CPI da Covid: depoimento de Barra Torres é uma barra pesada pro governo?

Picanha que custa mais de R$ 1 mil o quilo deve ser a do bezerro de ouro.

Não lave a honra com sangue. O hemocentro da Santa Casa precisa de doações.

Quem nasceu pra lagartixa nunca chega a jacaré.
 

Veja também