Agronegócio obtém alta em relação a 2019

Contexto Paulista

COLUNA - Contexto Paulista

Data 15/08/2020
Horário 10:07

Com a adição de 9 milhões de toneladas em relação ao ano anterior, a safra agrícola de 2020 deve obter uma alta de 3,8%, totalizando aproximadamente 250,5 milhões de toneladas. Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de julho, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em relação ao levantamento de junho, houve elevação de 1,3% na estimativa para a produção deste ano, o equivalente a 3,1 milhões de toneladas a mais. Entre as principais lavouras de grãos do país, são esperadas altas em 2020 nas safras de soja (5,9%), arroz (7,3%), trigo (41%) e sorgo (6,4%). As informações são do jornal Cruzeiro do Sul, da Rede APJ (Associação Paulista de Portais e Jornais).

Os números 

Os produtores brasileiros devem colher 64,9 milhões de hectares na safra agrícola de 2020, uma elevação de 2,6% em relação à área colhida em 2019. O resultado representa 1,7 milhão de hectares a mais em um ano. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo e, somados, representaram 92,2% da estimativa da produção e responderam por 87,1% da área a ser colhida.

Exportações em alta

As exportações do agronegócio do Brasil atingiram 10 bilhões de dólares em julho, alta de 11,7% em relação a igual período do ano anterior e o equivalente a 51,2% do valor total exportado pelo país no mês passado, segundo o Ministério da Agricultura. O resultado foi puxado por firmes altas na comercialização de produtos como soja, açúcar, celulose, algodão e carnes suína e bovina, que também destacou o crescimento nos embarques para a China.

Resiliência na crise

Com crescimento recorde, o agronegócio mostrou ser resiliente a crises, segundo a pesquisadora em macroeconomia Nicole Rennó, do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo). Em Piracicaba, entre 2019 e 2020, esse foi o único segmento com saldo positivo de criação de novas empresas, segundo o Jornal de Piracicaba, da Rede APJ. 

Diversificação

Segundo o economista Francisco Crócomo, professor da Escola de Engenharia de Piracicaba e da Faculdade de Tecnologia de Piracicaba, a tecnologia aplicada ao agronegócio tem contribuído para o desempenho diversificado do setor na cidade. Ele pontua, nesse sentido, a encubadora EsalqTec. "Piracicaba tem destaque inclusive no Estado e no Brasil, nós temos agribusiness, então não é só a questão da cana – açúcar e álcool e biocombustíveis, também outras áreas dentro da agricultora", diz ele. 

De vento em popa

•    O Indicador Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais, medido pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), cresceu 5,2% em junho, em comparação ao mês anterior. O indicador mede a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Em maio, houve alta de 2,2% em relação a abril. 
•    Passado o choque decorrente da crise despertada pela pandemia do novo coronavírus, as vendas do varejo em junho já retornaram ao patamar de fevereiro, antes do agravamento da disseminação da Covid-19. O avanço está especialmente sustentado pelo segmento de supermercados. Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio e foram divulgados pelo IBGE. Superaram o patamar pré-pandemia também os segmentos de material de construção, de móveis e de eletrodomésticos.
•    As exportações de carne suína do Brasil voltaram a superar a marca mensal de 100 mil toneladas em julho, puxadas pela firme demanda asiática, segundo a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal). O volume embarcado dos produtos (in natura e processados), de 100,4 mil toneladas, é 47,9% superior ao de igual período do ano anterior. Em maio, as exportações da proteína haviam ultrapassado o nível de 100 mil toneladas por mês pela primeira vez na história.

Pesquisa paulista

Um repelente de mosquitos desenvolvido para ser usado por pessoas mais sensíveis, como bebês e gestantes, e que alia nanotecnologia e componentes naturais e sintéticos, foi o grande vencedor da primeira edição do Prêmio Bayer, criado para valorizar projetos de universidades vinculadas ao Parque Tecnológico de São José dos Campos. O projeto foi desenvolvido pelo Laboratório de Nanotecnologia Ambiental do campus de Sorocaba da Unesp (Universidade Estadual Paulista). 

Pacote na Assembleia

O governador João Doria enviou projeto de lei para a Assembleia Legislativa com uma série de medidas polêmicas, entre elas a extinção das fundações estaduais Furp (Fundação para o Remédio Popular), Oncocentro, EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), Itesp (Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo) e CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano) e autarquias como a Sucen (Superintendência de Controle de Endemias); modificações na sistemática de contribuições do Iamspe (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual); alterações de impostos como IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e concessão de parques públicos como o Parque da Água Branca e Villa Lobos, na capital. O projeto foi publicado no Diário Oficial de quinta-feira e será discutido pelos deputados. 

Novos modelos de negócios

A pandemia mudou radicalmente a rotina, valores e hábitos da maioria e irá transformar também modelos de negócios, comportamentos de consumo e a forma como interagimos com o mundo. O desafio é como acompanhar as tendências e as mudanças profundas que estão acontecendo no mercado. É o que o Sebrae discutirá entre os dias 18 e 20 de agosto no Empretec Summit 2020. O evento, on-line, foi criado para quem já fez ou sonha em fazer o Empretec, programa com metodologia da ONU (Organização das Nações Unidas) aplicado no Brasil pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).
 

Veja também