Anastaciano é herói na classificação atleticana

“A preocupação maior dele não era só defender, mas não dar chance para o rebote, e conseguiu. Chutou a bola para bem longe", notou.

Esportes - Iury Greghi

Data 01/06/2013
Horário 07:20
A torcida do Atlético/MG dificilmente vai esquecer a noite de 30 de maio de 2013. O cronômetro já marcava 47 minutos do segundo tempo, a equipe estava a poucos segundos de avançar às semifinais da Libertadores, quando um pênalti foi marcado a favor do Tijuana. Todos os torcedores do Galo cravaram os dentes, já esperando pelo pior, mas o goleiro Victor entrou em cena e protagonizou o lance mais importante de sua carreira, iniciada aos seis anos de idade, em Santo Anastácio. O atleta defendeu, de forma inusitada e heroica, o chute de Riascos, entrando para a seleta lista de heróis do clube centenário.

Jornal O Imparcial Casa da família reserva espaço para conquistas de Victor

Com 30 anos de idade de 24 de dedicação ao esporte, Victor Leandro Bagy é o filho pródigo de Neusa e José Bagy, que vivem até hoje em Santo Anastácio. Desde que o goleiro salvou a equipe mineira no lance capital, o casal não para de atender a ligações de amigos e conhecidos. Mas o primeiro telefonema do dia foi o mais importante de todos. "Como o Victor não conseguiu me ligar depois do jogo, hoje cedinho ele telefonou para contar como estava", disse Neusa. "A ficha dele ainda não caiu, mas ele sabe que um lance como aquele só acontece uma vez na vida".

Apesar de ter estudado bem os adversários, Victor revelou à mãe que a sorte foi aliada na hora do pênalti. O fato de ser canhoto também colaborou para afastar o perigo da área atleticana, já que a bola foi "defendida" justamente pelo pé esquerdo. "A preocupação maior dele não era só defender, mas não dar chance para o rebote, e conseguiu. Chutou a bola para bem longe", notou.

Enquanto o filho se consagrava em Minas Gerais, a mãe se contorcia no sofá da sala. "Quando aconteceu o pênalti, foi um baque, não dava para acreditar. Tapei os olhos com a mão, mas dei uma olhadinha pelo espaço entre os dedos e vi meu filho salvando o time. Dali para frente não me segurei mais", descreveu.

 

Trajetória vitoriosa


Victor veste o uniforme atleticano desde julho de 2012, mas o caminho até alcançar o status de ídolo do clube foi longo. "Desde criança ele já frequentava escolinhas de futebol, futsal, vôlei, onde tinha bola ele estava", recordou a mãe. Aos 14 anos, participou de sua primeira seletiva, para o Guarani de Presidente Venceslau.

Passou no teste, mas não chegou a se apresentar ao clube, porque a proposta de um olheiro do Paulista de Jundiaí acabou sendo mais atraente ao jogador. "Quando ele se mudou para Jundiaí, foi um momento muito difícil. Víamos ele uma vez a cada três ou quatro meses", disse Neusa.

A carreira profissional do atleta deu uma guinada em 2008, ano em que assumiu as cores do Grêmio, de Porto Alegre. Foram quatro temporadas no tricolor gaúcho, com um título estadual, dois prêmios de melhor goleiro no Troféu Craque do Brasileirão e mais um pelo Bola de Prata, da revista Placar. O goleiro também estava no elenco da seleção brasileira campeã da Copa das Confederações, em 2009, na África do Sul. Cada um desses momentos é guardado com cuidado em uma sala repleta de fotos e troféus que a família Bagy mantém em Anastácio.

Veja também