Assassinato do prefeito Florivaldo Leal completa 56 anos

Chefe do Executivo prudentino foi morto por servidor público enquanto saía do antigo prédio da Prefeitura com direção à inauguração do Cine Ouro Branco

PRUDENTE - CAIO GERVAZONI

Data 21/12/2021
Horário 04:05
Foto: Cedida/Museu e Arquivo Histórico
Prefeito Florivaldo Leal, com 36 anos de idade, teve sua vida ceifada pelo servidor público Erodites de Oliveira
Prefeito Florivaldo Leal, com 36 anos de idade, teve sua vida ceifada pelo servidor público Erodites de Oliveira

Nesta terça-feira, um dos capítulos mais traumáticos da história de Presidente Prudente no século 20 completa 56 anos. Na tarde do dia 21 de dezembro de 1965, por volta das 17h40, o então prefeito Florivaldo Leal, com 36 anos de idade, teve sua vida ceifada pelo servidor público Erodites de Oliveira. Na ocasião, o chefe do Executivo se dirigia para a inauguração do cinema Cine Ouro Branco, na esquina da Rua Rui Barbosa com a Siqueira Campos, e foi surpreendido por Erodites enquanto saía do antigo prédio da Prefeitura, onde hoje se encontra a estátua do ex-prefeito, no gramado do atual edifício do Executivo prudentino. Logo após descer a escadaria do antigo Paço Municipal, Florivaldo foi atingido na nuca com dois golpes de um cabo de picareta pelo funcionário. O prefeito recebeu os primeiros socorros no local e foi levado para o Hospital São Luiz, mas não resistiu aos ferimentos e foi a óbito nas primeiras horas do dia 22. 
Em edição especial, veiculada em 31 de dezembro de 1965, O Imparcial dedicou algumas dezenas de páginas para lembrar a trajetória de Florivaldo Leal e elucidar a trágica semana que envolveu do assassinato ao enterro do ex-prefeito. 

Foto: O Imparcial/Museu e Arquivo Histórico

Edição especial “Florivaldo Leal: uma vida por uma cidade”, de O Imparcial, foi publicada em 31 de dezembro de 1965

Em uma das passagens, este diário narrou que milhares de pessoas acompanharam o silencioso cortejo fúnebre do corpo do prefeito pela Avenida Coronel José Soares Marcondes. A população também marcou presença em massa na missa de despedida do mandatário municipal, celebrada pelo bispo diocesano dom José de Aquino Pereira, na catedral central de Presidente Prudente. “Não havia meios para abrigar, no corpo da Catedral de São Sebastião, o imenso público que queria assistir à Missa de Corpo Presente. Optou-se então pela armação de um altar à porta do templo, onde todos pudessem participar daquela religiosa”. 

Foto: O Imparcial/Museu e Arquivo Histórico

O Imparcial narrou que milhares de pessoas estiveram na missa de despedida de Florivaldo Leal na Catedral de São Sebastião 

Cenário político da época

Em outro trecho, o jornal destaca que a gestão de Florivaldo Leal, eleito em 1963 com 6.783 votos, foi fundamental para dar início ao sistema de água e esgoto de Prudente. “Um dos maiores empreendimentos deixados por Florivaldo Leal à cidade e ao povo de Presidente Prudente foi o trabalho da rede emissora de esgotos, somando mais de 10 mil metros lineares, tanto na renovação dos antigos e ultrapassados, como nos novos. Quanto à água, foram quase sete metros lineares o trabalho que executou”. 
Na obra “Presidente Prudente: Uma cidade, muitas histórias”, o historiador Ricardo Pires de Paula redigiu o capítulo “Da promessa à tragédia: O assassinato do prefeito Florivaldo Leal e suas repercussões” para rememorar o contexto político-histórico da época e os desdobramentos deste trágico acontecimento que marcou a sociedade prudentina em meados da década de 60. 
O historiador realça que a cidade “vivia e repercutia os eventos internacionais e nacionais por meio de sua imprensa”. “As notícias a respeito das mortes do papa João XXIII e do presidente John Kennedy ocuparam lugares de destaque em jornais como O Imparcial. A mobilização dos trabalhadores atingiu a cidade com o debate em torno da adesão ou não de ferroviários e bancários à greve geral em outubro daquele ano [1963] e a participação dos professores na primeira greve do magistério paulista”. 
Um ponto elucidado por Ricardo Pires de Paula, no capítulo sobre o ex-prefeito, é que a figura política do empresário Florivaldo Leal, até então desconhecida na época, emerge da transição “entre o predomínio de práticas associadas ao coronelismo e as novas demandas geradas pela emergente sociedade urbana”. 
No pleito para o Executivo municipal em 1963, Florivaldo Leal concorreu contra Paulo Alberto de Oliveira, Antonio Sandoval Netto, Hugo Lacorte Vitalle. Naqueles tempos também havia eleição para vice-prefeito e Watal Ishibashi foi o escolhido. Após o assassinato de Florivaldo Leal, Ishibashi assumiu o Executivo do município. 

O julgamento de Erodites

O jornalista Altino Correia relembra o julgamento de Erodites de Oliveira e narra que o fato, em maio de 1969, teve a maior audiência radiofônica da história de Presidente Prudente. “Você saía na rua caminhando e via que as pessoas estavam ouvindo. Em cada lugar que a gente passava era possível ouvir as pessoas acompanhando o julgamento do assassino por meio do rádio... E na região toda foi assim”, rememora o jornalista, que, na época, fez a cobertura do julgamento de Erodites pela Rádio Presidente Prudente AM. Como resultado do júri popular, o homem que matou Florivaldo Leal foi condenado a 12 anos de prisão. 
Por fim, Altino relembra o motivo que levou Erodites a cometer o assassinato. “Este homem era um servidor municipal, acho que estava afastado e tinha algumas discordâncias com o prefeito. Em uma ocasião, este elemento não foi acolhido pelo Florivaldo Leal para uma audiência pessoal. Então, a reação dele por não ter sido recebido pelo prefeito foi se vingar desta forma”, completa. 

Foto: O Imparcial/Museu e Arquivo Histórico

“E foi assim que eu deixei uma cidade inteira de luto”, relata Erotides de Oliveira ao ser interrogado pela Polícia sobre o assassinato 

Homenagens a Florivaldo Leal

A Prefeitura de Presidente Prudente realiza nesta terça, às 17h, um ato simbólico para marcar o 56º aniversário de falecimento de Florivaldo Leal, que empresta seu nome ao Paço Municipal, que leva o nome do ex-prefeito, sede administrativa do município. A cerimônia será realizada em frente à estátua construída em homenagem ao político, na esquina da Avenida Coronel José Soares Marcondes e Rua Tenente Nicolau Maffei, com a presença de autoridades políticas, civis e militares. 
Além do busto em homenagem ao mandatário, a Escola Estadual Florivaldo Leal, na Vila Tabajara, leva o nome do ex-prefeito. 

Foto: Facebook/Escola Estadual Florivaldo Leal

Escola estadual, na Vila Tabajara, leve o nome do ex-prefeito Florivaldo Leal, assassinado em 21 de dezembro de 1965

SAIBA MAIS
As fontes usadas para a construção desta matéria foram os registros históricos disponíveis no Museu e Arquivo Histórico Prefeito Antônio Sandoval Netto de Presidente Prudente, a obra “Presidente Prudente: Uma cidade, muitas histórias”, de Ricardo Pires de Paula, Érica de Campos Vicentini da Luz, Lorayne Garcia Ueocka e Thiago Granja Belieiro e o relato do jornalista Altino Correia.  

Foto: O Imparcial/Museu e Arquivo Histórico


 
Muitas pessoas fizeram vigília em frente ao Hospital São Luiz, onde Florivaldo Leal foi a óbito nas primeiras horas do dia 22 

Câmara de Prudente 

Logo após descer a escadaria do antigo Paço Municipal, Florivaldo foi atingido na nuca com dois golpes de um cabo de picareta 

Veja também