Basta de clamares inocência... (Cartola)

Persio Isaac

CRÔNICA - Persio Isaac

Data 20/12/2020
Horário 07:00

Qual foi o momento da nossa história que pegamos o caminho errado? Qual o caminho que iremos trilhar nesse momento de alta instabilidade emocional que a sociedade vive? Precisamos de um vírus para nos ensinar o valor da vida? Precisamos de farsantes para nos representar? Nossos problemas são históricos. As oligarquias econômicas e políticas são as mesmas. A construção da nossa história foi falha. O Brasil não é um país do futuro, é um país atrasado. 
Como bem disse Tom Jobim: "O Brasil não é para amadores". As causas é que não faltam para explicar esse atraso em todos os segmentos. Confio na força da sociedade brasileira que despertou para gritar bem alto a sensação de dizer "basta". Ela cansou de ser omissa e confiar na classe política e jurídica (leia-se STF). Eles nos decepcionaram. Fizeram do nosso Estado um conluio de corruptos. São desprovidos de amor ao próprio país. Transformaram nossas estatais num berço esplêndido onde a corrupção dorme no sono dos insensatos. 
Fizeram um desenvolvimento monopolista. Só os amigos do rei tiveram acesso às benesses do dinheiro da sociedade. Não existe dinheiro público, existe dinheiro que é fruto de trabalho de uma sociedade que paga 40% de altos impostos para um Estado caro, ineficiente, corrupto, burocrata, atrasado e omisso. Chegamos à triste conclusão que a conta de tantos desmandos chegou. Nossos governantes nunca nos protegeram. Essa falsa sensação de um modelo paternalista faliu. 
A falsa sensação da tal Justiça do Trabalho é um engodo. Se transformou numa indústria de acordos espúrios. "Basta" de tantas mazelas. O custo Brasil mata cada vez mais o espírito empreendedor.  A sociedade exige e quer atitudes corajosas, honestas e patriotas, para enfrentar esse desencanto geral. Falar bonito, discursos suaves e limpos não aceitamos mais. Queremos palavras duras que vão rasgar a nossa apatia ao meio. Queremos resgatar os nossos valores morais, éticos, religiosos. 
Basta de decisões míopes, de populismo e de acreditar em clichês. Basta de desenvolvimentos pífios e efêmeros. Basta de defender políticos corruptos. Basta desse modelo político-econômico. Será que vivemos numa verdadeira democracia? Nossa baixa autoestima coletiva nos trouxe a lugar nenhum. Tínhamos e ainda temos sede de homens de caráter. Agora estamos sentindo a nossa vulnerabilidade. Ficamos discutindo ou acreditando em ideologias que ao longo da história só trouxeram miséria, corrupção e genocídio. O homem é o grande problema. Sua natureza é covarde, hipócrita, cínica, ambiciosa e interesseira. 
Lembro de um pensamento que cabe bem nesse momento de desilusão: "Quem não sabe o que é, não sabe o que quer. E quem não sabe o que quer, não chega a lugar nenhum".
 

Veja também