Calor causa aumento de 20% em consultas

Principais atendimentos nos postos de saúde estão relacionados às viroses intestinais, intoxicação alimentar e irritações no aparelho respiratório

PRUDENTE - Estevão Salomão

Data 12/02/2016
Horário 10:28
 

 

De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), a alteração do clima em Presidente Prudente, sobretudo quanto à prevalência de altas temperaturas – registradas em até 36ºC nesta semana pelo Instituto Climatempo -, é a responsável pela majoração de 20% no número de atendimentos em decorrência de doenças respiratórias e intestinais, registrados nas 32 unidades de atendimento médico do município, se comparado com outros períodos climáticos, quando os termômetros estão amenos.

Segundo dados divulgados pela pasta, por meio do coordenador médico, Nereu Oguido, as principais buscas aos postos de saúde estão relacionadas às viroses intestinais, intoxicação alimentar e irritações no aparelho respiratório. Nereu diz ainda que ao se comparar este período com o mesmo do ano passado há um agravo em relação à umidade relativa do ar, que em alguns dias desta semana esteve baixa.

Sobre as incidências respiratórias, o pneumologista Paulo Roberto Mazaro orienta a população quanto à utilização correta dos aparelhos elétricos. Segundo ele, o ar-condicionado, quando utilizado de maneira correta, "regulado nos 20ºC", é menos prejudicial à saúde se comparado com os ventiladores, entretanto, este primeiro deve ser utilizado paralelamente ao umidificador de ar. "O principal problema nesta época é o tempo seco, sendo assim, é imprescindível a manutenção dos equipamentos", esclarece.

Sobre o público mais propício ao desenvolvimento de doenças, o especialista explica que "todos podem desenvolvê-las", porém, as crianças e os idosos "apresentam uma resposta imunológica mais lenta". Já em relação às demais disfunções, ligadas à alimentação, a nutricionista Cristina Atsumi Kuba explica que é fundamental o consumo de alimentos mais leves, de fácil digestão, com prioridade a frutas e temperos naturais, realizada de três em três horas, bem como a ingestão de água intercalada em períodos de meia hora, excluindo os produtos industrializados. "Neste clima, devemos evitar os alimentos com sódio, pois eles retêm maior quantidade de líquido e podem comprometer a imunidade", acrescenta.

Ainda conforme o coordenador médico, o público que mais procura ajuda, em busca de remédios, vacinas e inalações, é o grupo de idosos, crianças e gestantes. Entretanto, pessoas com doenças prévias, como os portadores de diabete, HIV, hepatite e outras que comprometem a imunidade do corpo estão entre as mais atendidas. De acordo com ele, este é um problema de saúde que possui tempo determinado. "Essas doenças tendem a ser sanadas com a mesma intensidade em que surgiram".

 

Cuidados extras


Para o pneumologista Paulo Mazaro, as orientações se baseiam nos cuidados com a exposição às baixas temperaturas, assim como tomar as vacinas contra a gripe e pneumonia, recomendadas em populações de maior risco para desenvolvimento de doenças graves.

 

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS


 

Gripe: pode acometer toda a via aérea, inclusive o pulmão. A sinusite é a infecção que acomete os seios da face;

 

Pneumonia: É uma inflamação pulmonar provocada por uma infecção bacteriana, que pode causar febre alta, dores pelo corpo, tosse, podendo provocar até falta de ar;

 

Asma e rinite: São doenças inflamatórias das vias aéreas de fundo alérgico. A asma tem como sintomas principais tosse, falta de ar e chiado no peito. E a rinite provoca coriza, coceira e congestão nasal.

 

Fonte: Médico Enio Rodrigues Maia Filho

Veja também