Cido Oliveira apresenta dois trabalhos alusivos ao centenário

Além das dez telas comemorativas aos 100 anos que serão expostas, artista prepara outras, que estarão em mostra paralela

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 10/08/2017
Horário 13:45
Cedida, Pontilhão Comendador Tannel Abbud pelas mãos do artista Cido Oliveira: parece uma imagem fotográfica
Cedida, Pontilhão Comendador Tannel Abbud pelas mãos do artista Cido Oliveira: parece uma imagem fotográfica

O artista plástico Cido Oliveira não para. Além das dez telas comemorativas aos 100 anos de Presidente Prudente, em tamanhos variados em média de 60x1metro, retratando lugares históricos da cidade, ele está preparando outras, mais de 20, em tamanhos menores, 30x40 cm (centímetros), que estarão em exposição paralela a principal de 1º a 30 de setembro, na Praça de Eventos do Prudenshopping. Duas telas ilustram esta matéria: o pontilhão Comendador Tannel Abbud que dá acesso à Vila Marcondes e a Prefeitura, vista do alto!

 

Jornal O Imparcial

Foto: Cedida, Pintura da Prefeitura de Presidente Prudente impressiona perfeição de detalhes

Segundo ele, o empreendimento lhe cedeu além deste espaço, outro que fica em frente ao Moviecom. Então, para fazer algo ainda mais bonito ele resolveu pintar Prudente hoje. “Dividir as dez obras do ‘Centenário em Cores’ em dois espaços não ficaria legal. Além de retratar as belezas do passado, porque não explorar as de hoje? Não dá para mensurar o prazer que é dedicar cada minuto a dar vida a essas telas!”, exclama o artista plástico.

Se a mostra dos 100 anos, exposto em dez décadas, da roça até os dias de hoje promete emocionar, ver a continuidade do progresso será enriquecedor até mesmo para a educação onde professores poderão trabalhar com seus alunos.

“Pode parecer clichê, mas repito quantas vezes for preciso [risos] que cada espatulada na tela é a oportunidade que tenho de vivenciar o passado no momento presente. É se emocionar com a cena... e isso é um privilégio que só um artista pode sentir. Mas, o expectador pode viver esses sentimentos ao apreciar a obra”, destaca Cido Oliveira.

Veja também