Crianças, exercício e saúde

Jair Rodrigues Garcia Júnior

O medo da violência e a ampla utilização de eletrônicos contribuíram para “tirar as crianças das ruas”. Há 30 anos quando a internet engatinhava e aparelho celular era ficção, a rua era o lugar das atividades variadas: futebol, pega-pega, queimada etc. Hoje, a realidade de boa proporção das crianças e dos adolescentes é o sedentarismo.

Educação física escolar

Deveria ser uma oportunidade para a prática de atividades variadas, porém, nem sempre funciona. De partida, há exigência de conteúdos “teóricos” nas aulas que deveriam servir para praticar movimentos. Alguns professores apenas “batem o ponto” e alguns alunos desprezam a oportunidade de melhorar a saúde e capacidades cognitivas e emocionais, como a autoconfiança.

Escolas de esportes

Mesmo não sendo bem vistas pelos educadores, são locais onde se aprendem os movimentos de um esporte, espírito de equipe, disciplina e até a ganhar e a perder, que é a realidade da vida. Há escolas públicas de esportes, mas não estão ao alcance da maioria das crianças e dos adolescentes, além de não apresentar mais que três ou quatro opções de esportes. Cuidados imprescindíveis: supervisão de um bom profissional e evitar especialização precoce.

Academias

Representam “perigo” na visão de alguns pais. Para estes, levantar pesos e fazer outros esforços pode machucar e prejudicar o crescimento das crianças. Os pais em geral, deveriam saber que, assim como a melhor alfabetização acontece com os melhores estímulos, os músculos e esqueleto também respondem muito bem aos estímulos de esforços. Cuidado imprescindível: supervisão de um bom profissional.

Crossfit

Treinamento funcional e CrossFit são relativamente novos e causam ainda mais “medo” nos pais. Há exercícios ginásticos e levantamento de pesos que podem parecer um tanto quanto perigosos. Neste caso também, os pais deveriam saber que há sempre progressão para execução de movimentos complexos e com cargas. No processo, as crianças e os adolescentes ganham coordenação motora, equilíbrio, resistência, força etc, e crescem. Cuidado imprescindível: supervisão de um bom profissional.

Pais

Há muitos casos de crianças que não praticam qualquer esporte ou exercício. Uma das principais razões é: não há um modelo de pais praticantes para seguir. É da natureza das crianças o comportamento da imitação dos pais, que serve para construir o sentimento de pertencimento à família e para o aprendizado. Quando pai/mãe praticam, haverá grande chance de “arrastarem” o filho para esse caminho da saúde.

Há sempre progressão para execução de movimentos complexos e com cargas.  

 

 

 

 

Veja também