Habilidades Motoras fundamentais.

Jair Rodrigues Garcia Júnior

Habilidades motoras fundamentais (HMF) são movimentos elementares, tais como andar, correr, arremessar etc. Pode-se pensar que são “coisas de criança” praticadas na aula de Educação Física ou em atividades de recreação. Realmente são. Mas qual a relação dessas habilidades com as condições comuns dos adultos: sedentário, obeso, hipertenso, diabético e com elevado risco de doenças vasculares?

ESCALADA DOS MOVIMENTOS

 Dos mais simples para os mais complexos a hierarquia é: reflexos, rudimentares, fundamentais (HMF) e especializados. O dois primeiros são “naturais” e executados por qualquer bebê e criança. Reflexos são inatos e os rudimentares se manifestam com o crescimento do bebê: pegar objetos, se arrastar, engatinhar etc. Os movimentos fundamentais requerem maior coordenação motora e não são executados corriqueiramente por todas as crianças. Os movimentos especializados dependem dos fundamentais e são treinados em esportes específicos.

FUNDAMENTAIS

O desenvolvimento motor é um aspecto importante no desenvolvimento integral da criança, inclusive cognitivo. Por isso, dos 2 aos 7 anos, as HMF devem ser estimuladas para que a criança dê “um salto” na complexidade dos movimentos. Pais e, principalmente, professores de Educação Física, são os responsáveis por essa evolução na “janela de 6 anos”. Passado esse período, a aquisição dos movimentos de estabilização, locomoção e manipulação pode ainda acontecer, porém, não será tão eficiente.

REALIDADE

Correr, saltitar, pular, arremessar, pegar, rebater, chutar etc são as HMF executadas por qualquer criança, não é? Estudo que realizamos (com profs Chayene Dornelas e Anderson Carvalho) com escolares de 11 e 12 anos demonstrou que não. Na escala com 7 níveis de desempenho (do muito pobre ao muito superior), apenas 9,5% chegaram ao nível médio e a maioria (67%) ficou no nível pobre. Ressaltamos que essas crianças deveriam estar nos níveis superior e muito superior até os 7 anos de idade.

ESTIMULAÇÃO

 No mesmo estudo (acima), após a avaliação inicial, as crianças tiveram aulas de treinamento funcional (“kids”) durante 2 meses. Foram reavaliadas e a maioria melhorou o desempenho, subindo pelo menos um nível na escala. Ficou claro que a prática de atividades físicas não tinha variação e/ou estava insuficiente anteriormente, assim como acontece com a maioria das crianças. Somente a prática regular e variada proporciona o desenvolvimento das HMF.

HIPOCINESIA

 É um sinônimo para sedentarismo, do qual precisamos escapar. Há relação direta entre o baixo nível das HMF na infância, a menor confiança para execução de movimentos e a prática insuficiente de exercícios na vida adulta. Ser visto como “descoordenado” ou “não habilidoso” afasta a criança, o adolescente e, mas tarde, o adulto das práticas. O sedentarismo se estabelece, seguido pelas doenças crônicas. Portanto, se você ainda não faz uma cambalhota, uma parada de mão (cabeça para baixo) e outros movimentos, nunca é tarde para aprender e aprimorar. E não deixe de proporcionar a prática das HMF aos seus filhos.

Veja também