Importações crescem 12,2% na região de Prudente

Valor movimentado passou de US$ 14,5 milhões no primeiro semestre de 2016, para US$ 16,2 milhões no mesmo período de 2017

REGIÃO - BIANCA SANTOS

Data 03/08/2017
Horário 13:40
Marcio Oliveira, Setor da produção de carne e couro foi o mais afetado com a queda das exportações
Marcio Oliveira, Setor da produção de carne e couro foi o mais afetado com a queda das exportações

O volume movido pelas importações na região de Presidente Prudente cresceu 12,2%, conforme dados do MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços), saltando de US$ 14,5 milhões no primeiro semestre de 2016, para US$ 16,2 milhões no mesmo período deste ano. Ao contrário da exportação, que operou em queda, passando de US$ 234.881,264 para US$ 228.767,876, um decréscimo de 2,6%.

O economista Eder Canziani afirma que esse aumento nas importações se deu por meio das empresas que trouxeram insumos de “fora” para as suas produções. Já o decréscimo das exportações é o reflexo da crise internacional. “As importações expandiram porque a população passou a adquirir produtos importados por preços menores. Em relação às exportações, o setor que mais foi afetado é o da pecuária na região, principalmente com a carne e o couro”, acredita. Fator que justifica o salto negativo da balança comercial em 3,5% com a elevação na importação no país.

A gerente de importações e exportações da empresa Vitapelli de Presidente Prudente, Rosana Lopes, considera que somente em dois meses do semestre passado a produção de couros foi boa e explica que no setor de exportação de couro a taxa foi menor em relação ao mesmo período do ano passado. “Se for considerar a importação, aqui na empresa também diminuiu, visto que este processo depende do mercado externo, ou seja, da exportação”, explica. Já o representante pelo comércio exterior de uma empresa do segmento da indústria eletrônica da cidade, Leandro Souza, pontua que houve o acréscimo de 20% nas importações do estabelecimento devido ao alto custo de aquisição de matéria-prima no Brasil. “Por este motivo, a importação acaba sendo uma alternativa, reduzindo custos e tornando os nossos produtos mais competitivos no mercado”, ressalta.

 

Desempenho regional

No levantamento do primeiro semestre deste ano, 12 cidades da região fecharam com saldo positivo, entre elas, Dracena, que em 2016 sofreu decréscimo de 83% no seu saldo, representando US$ 106.802, mas que no balanço atual deste ano fechou em alta, com US$ 564.622. Enquanto isso, outras seis cidades ficaram negativadas. A queda mais significativa foi de Presidente Venceslau, que reduziu em 2017 a movimentação de exportação de US$ 5.868 para US$ 132 nos primeiros seis meses analisados. Mirante do Paranapanema também operou em alta na balança, saltando de US$ 29.786.550 o número de exportações para US$ 49.210.894, um saldo positivo de 65,21% no saldo final dos seis primeiros meses deste ano.

O diretor regional da Fiesp/Ciesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Wadir Olivetti Júnior, acredita que os valores da queda da exportação, do aumento da importação e do saldo final da balança “não foram expressivos”, porém, afirma que a tendência dos índices é de que se equilibrem.

 

BALANÇA COMERCIAL NA REGIÃO

CIDADES JANEIRO A JUNHO 2016 JANEIRO A JUNHO 2017 2016-2017
 Exportação   Importação  Saldo  Exportação   Importação  Saldo Evolução do saldo (%)
US$  (A) US$  (B) US$  (A) - (B) US$  (A) US$  (B) US$  (A) - (B)
Adamantina 7.874.711 132.223 7.742.488 12.166.480 147.570 12.018.910 55,23
Alfredo Marcondes 2.231.210 1.172.836 1.058.374 2.655.418 1.008.379 1.647.039 55,62
Álvares Machado 2.725.599 178.056 2.547.543 4.330.418 130.347 4.200.071 64,87
Dracena 309.390 205.246 104.144 642.239 77.617 564.622 442,16
Indiana 0 100.571 -100.571 0 118.120 -118.120 17,45
Junqueirópolis 45.122.802 0 45.122.802 58.355.437 0 58.355.437 29,33
Lucélia 5.033.248 4.799 5.028.449 5.535.233 0 5.535.233 10,08
Mariápolis - - - 0 3900,00 -3.900 -
Mirante do Paranapanema 29.786.550 0 29.786.550 49.210.894 0 49.210.894 65,21
Osvaldo Cruz 24.750.286 901.467 23.848.819 4.618.302 739.633 3.878.669 -83,74
Pauliceia  7.780 0 7.780 5.541 0 5.541 -28,78
Pirapozinho 12.272.460 3.811.436 8.461.024 14.976.671 4.243.348 10.733.323 26,86
Presidente Epitácio 20.718.999 1.440.271 19.278.728 119.075 964.619 -845.544 -104,39
Presidente Prudente 68.544.092 3.603.232 64.940.860 54.332.819 3.978.480 50.354.339 -22,46
Presidente Venceslau 5.868 0 5.868 132 28.158 -28.026 -577,61
Rancharia 11.587.411 2.561 11.584.850 16.086.823 11.331 16.075.492 38,76
Regente Feijó 1.919.049 2.937.561 -1.018.512 3.626.051 4.785.284 -1.159.233 13,82
Ribeirão dos Índios - - - 123.350 0 123.350 -
Santo Anastácio 1.973.549 13.705 1.959.844 1.981.561 0 1.981.561 1,11
Taciba - - - 0 32.770 -32.770 -
Tarabai 18.260 0 18.260 1.432 7.112 -5.680 -131,11
TOTAL 234.881.264 14.503.964 220.377.300 228.767.876 16.276.668 212.491.208 -3,58

Fonte: Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços 

Veja também