Publicidade

Lukas Krasucki lança movimento

Sinomar

“Que Nós não seja o plural de nó!”, pede o empresário, titular da Luka Imóveis

COLUNA - Sinomar

Data 05/08/2020
Horário 04:57
Lucas Krasucki quer união contra nós que interrompem processos de progresso e desenvolvimento da cidade: marketing empático Foto: Lucas Krasucki quer união contra nós que interrompem processos de progresso e desenvolvimento da cidade: marketing empático

Lucas Krasucki tem apenas 35 anos para tanta experiência acumulada, diz seu pai Sérgio. O jovem empresário, casado com Fernanda e pai de Julia (9 anos) e Ana Luiza (14) começou a trabalhar com o pai aos  11 anos na loja KBL Bicicletas. Aos 15, montou a Ciclo Center. Aos 19, abriu uma filial em Sorriso, no MS. Foi gerente do Hotel Huesca e do Portal d´Oeste, de onde saiu em 2009 para montar a Luka Imóveis, que hoje é um dos cases de sucesso do setor em Presidente Prudente. Sempre polêmico e inovador, ele lança agora uma campanha contra os nós que travam a cidade.

O “Nós” é uma campanha ou movimento?
A pandemia foi criando vários nós. O “Nós” é um movimento, com propósito de inspirar a união, de criar novas situações e gerar soluções inovadoras e ágeis, por meio de empatia e coletividade. Nós é o coletivo de nós. Não de nó.

Como desatar os “nós”?
Trazendo um novo sentido para a sociedade que compõe o nosso ecossistema, com base no relacionamento e confiança mútua, onde as pessoas se unam para uma finalidade em comum: o desenvolvimento da cidade como um todo. Que “Nós” não seja o plural de nó!

Dê um exemplo?
Percebi no meu setor, o mercado imobiliário, que nós todos dependemos uns dos outros. Isso envolve não só meus funcionários, meus clientes, mas meus concorrentes, os cartórios, a Prefeitura, a Sabesp... Se existir um só nó no meio do caminho, pode interromper todo um processo que vem se construindo com muito custo, como por exemplo, um empreendimento que está vindo para cidade e vai beneficiar toda coletividade. 

Envolve todo mundo...
Sim, o “Nós” é uma junção de todas as pessoas envolvidas no nosso ecossistema. Todas as pessoas, empresas, a cidade, estamos todos num mesmo propósito. Vale à pena sermos “Nós”.

Quais as ações a serem desenvolvidas?
Começamos a publicar alguns anúncios e campanhas em redes sociais. O projeto está aberto a todos interessados. Quem quiser comprar a ideia, fique à vontade, não custa nada. Vamos ser mais nós, todos juntos pela cidade. Queremos mostrar que vale apena, porque todos nós ganhamos. Vamos melhorar o dia a dia da cidade, nos unirmos para melhorar os processos, ter mais agilidade, por exemplo, nos processos dos cartórios e da Prefeitura. 

Uma conexão positiva?
Sim, as pessoas estão precisando umas das outras. Nada melhor do que se conectar positivamente. A pandemia acelera o processo quando se trata de coisa boa também: coisas boas se conectando com coisas boas, pensando mais na coletividade. 

O que a cidade ganha com a união pregada pelo “Nós”?
Mais agilidade nos processos dos cartórios e certidões da Prefeitura, por exemplo, beneficiaria o ecossistema e o ambiente de negócios na cidade. Bom para todos!

Como estão os negócios imobiliários atualmente na cidade?
Há dois meses, estamos tendo bons resultados, algo que não esperávamos em meio à pandemia. Tenho a convicção que da nossa união, imobiliárias, incorporadoras, clientes, lojas, podemos acelerar o processo da recuperação da economia.

O que se pode esperar de Prudente pós-pandemia?
Um futuro promissor. Estou otimista: Grandes empresas vão buscar o interior na retomada da economia. Prudente é uma oportunidade de qualidade de vida, de saúde, bem estar e segurança. É pequena para ser grande, e grande para ser pequena.

RAPIDINHAS
...
Otimista, varejo de construção vende mais durante a pandemia que no ano passado.
...
Feiz Abud, novo presidente do PTB de Presidente Prudente, pode ser candidato a prefeito.
...
José Vicente conta hoje em sua coluna que em breve entra em operação a primeira farinheira de Indiana, com nome do saudoso Jorge Esteves.
...
 A Farinheira Vô Jorge está prontinha para iniciar suas atividades em Indiana.
...
A psicóloga Flávia Giacon comenta que a pandemia mexeu demais com a saúde mental dos pacientes e suas famílias. 
...
Novo coronavírus pode ter ficado por até 70 anos em circulação silenciosa entre os morcegos, aponta estudo.
...
Ponto final: Definir prioridades.
...

Veja também