Prefeitura diz que população pode ficar sem ônibus até nova empresa ser contratada

Ed Thomas afirmou que administração buscará alternativas para atenuar este cenário caso aconteça; após imbróglio, Prudente Urbano encerra atividades neste fim de semana

PRUDENTE - CAIO GERVAZONI

Data 03/12/2021
Horário 11:59
Foto: Caio Gervazoni
Coletiva de imprensa sobre situação do transporte ocorreu nesta manhã
Coletiva de imprensa sobre situação do transporte ocorreu nesta manhã

Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta sexta-feira no Paço Municipal, a Prefeitura de Presidente Prudente se posicionou sobre a nova fase do transporte público no município diante do rompimento do contrato com a Company Tur Transporte e Turismo Ltda. – a Prudente Urbano. Segundo o prefeito Ed Thomas (PSB), a empresa encerra as atividades de operação do transporte público coletivo neste final de semana e “pode acontecer que a população fique sem transporte” durante o trâmite jurídico para contratação emergencial de uma nova empresa. Diante desta situação, o chefe do Executivo pontuou que a administração pública irá “buscar alternativas dentro da Semob” para atenuar este cenário, caso aconteça. 

O secretário de Assuntos Jurídicos, Jorge Duran, complementou que a rescisão contratual com a Prudente Urbano já estava em curso e que a contratação de emergencial - entre a abertura de propostas nesta segunda-feira, assinatura do contrato e mobilização de uma nova frota – “não deverá ser feita da noite para o dia”. “Por conta deste período de tempo, a Semob está trabalhando para viabilizar uma situação intermediária para atender a população talvez minimamente”.

Segundo Duran, nesta sexta-feira será publicado um decreto de emergência da situação do transporte público “para dar respaldo à administração municipal para contratações emergenciais, como aluguéis de veículos” em um processo que pode se estender por “alguns meses”.

Ônibus com ar-condicionado

De acordo com o secretário da Semob (Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana), Luiz Edson da Silva, a contratação emergencial de uma nova empresa para operar o transporte coletivo na cidade já está em curso e, a partir de segunda-feira, as concorrentes podem “apresentar os valores conforme o que foi estabelecido em critérios técnicos e legais” pelo poder público.

Entre os benefícios à população com a contratação emergencial, Luiz Edson indicou que o critério da administração pública para a escolha de uma nova empresa dará preferência àquelas que disponibilizem ao transporte coletivo municipal uma frota de veículos com ar-condicionado. “Pode acontecer de as empresas não apresentarem [este critério], então, nós partiremos para a segunda hipótese que é ônibus sem ar-condicionado”, ponderou o titular da pasta de Mobilidade Urbana. 

“O prazo de contratação emergencial é para que se exerça o processo licitatório para uma contratação definitiva. São seis meses mais seis meses [um ano] para uma possível contratação definitiva”, declarou Luiz Edson.

Sobre o preço da tarifa, Ed Thomas relatou que, neste primeiro momento, a intenção do poder público é manter o preço atual, que é de R$ 4,25. 

Dívida da Prudente Urbano

Conforme o prefeito, as dívidas da Prudente Urbano com credores, trabalhadores da empresa e administração municipal chega a R$ 30 milhões. O secretário de Assuntos Jurídicos, Jorge Duran, tomou a palavra e relatou que o poder público irá tomar as medidas cabíveis para que os débitos da empresa não afetem o erário municipal e “não haja prejuízo” em relação a esta questão. 

Aprendizado com a crise

O chefe do Executivo prudentino argumentou que o novo modelo de transporte público no município deverá “corrigir os erros” da crise que se estende até aqui. “A população está aí e sabe que, infelizmente, o transporte público não teve a qualidade que ‘nossa gente’ realmente merecia. Nesse novo modelo, queremos ouvir as pessoas e corrigir os erros. Principalmente nos horários de picos, nos locais mais distantes”, relatou Ed Thomas.

Para o prefeito, o principal aprendizado com a crise do transporte público é o “enfrentamento da situação” dentro da legalidade jurídica. “Nós iremos entregar para a população um transporte digno. Poderia ser feito antes? Sim! Mas tem que ter coragem, humildade e, acima de tudo, sabedoria para enfrentar, assim como enfrentamos a questão do lixo e do aterro sanitário”, completou Ed Thomas, abordando outras questões de ordem pública que requerem melhora, no ponto de vista dele, quanto ao que é fornecido à população, como a iluminação pública e reformas de bens municipais, a exemplo de escolas e creches.

Ao final da coletiva, Ed Thomas desabafou: “Não sabem o quanto eu queria falar. Pelo amor de Deus! Jamais quis misturar política com questões jurídicas”.

Aguarda trâmite jurídico

Procurada pela reportagem, a Prudente Urbano indicou que a empresa aguardará o trâmite jurídico do processo e, se tiver algum posicionamento futuro, este será encaminhado para a imprensa.

Veja também