Presidente Epitácio abrigará museu arqueológico

Cerca de 10 mil peças já estão garantidas no acervo, uma vez que estas foram encontradas e guardadas no Cemaarq (Centro de Museologia, Antropologia e Arqueologia) da FCT/Unesp (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista).

REGIÃO - Laís Ernesto

Data 28/09/2014
Horário 08:31
 

Em até dois anos o oeste paulista deve inaugurar o primeiro Museu Arqueológico e Histórico em uma área próxima ao rio Paraná, em Presidente Epitácio. O investimento será de R$ 4.798.240,60 – sendo R$ 4.702.275,79 provenientes de um acordo da Cesp (Companhia Energética de São Paulo) com os Ministérios Públicos Estadual e Federal, referente a uma compensação ambiental paga pela empresa, e R$ 95.964,81 dos cofres da Prefeitura de Epitácio.

O espaço contará com milhares de peças disponíveis para visitação e estudos. Entre os materiais estão pedras lascadas e polidas, cerâmicas, conchas, ferramentas, vasilhas e outros utensílios que retratam um pouco da história e o modo de vida dos povos que habitaram a nossa região na fase pré-histórica.

Jornal O Imparcial Acervo da Unesp possui cerca de 10 mil peças arqueológicas encontradas em Epitácio

Segundo a diretora municipal de Cultura, Antônia Dilma Favaretto, este museu contará com uma proposta inédita no Brasil: a preservação dos materiais nos locais escavados, para que a população tenha mais conhecimento sobre o trabalho. A ideia é adaptar o ambiente para que os visitantes tenham acesso direto às peças no espaço onde foram descobertas.

Cerca de 10 mil peças já estão garantidas no acervo, uma vez que estas foram encontradas e guardadas no Cemaarq (Centro de Museologia, Antropologia e Arqueologia) da FCT/Unesp (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista).

Uma reunião para tratar do assunto ocorreu na semana passada na cidade. Na ocasião, representantes da Secretaria Municipal de Cultura, do Sisem (Sistema Estadual de Museus) e do MAE (Museu de Arqueologia e Etnologia) da USP (Universidade de São Paulo), oficializaram as parcerias. A USP será responsável pelo planejamento da construção, trabalho de museologia e treinamento dos funcionários. Já a Unesp fará o trabalho de estudos no local. O município de Epitácio foi escolhido pela quantidade de material arqueológico disponível para pesquisas em seu território.

De acordo com Favaretto, a obra será realizada em duas etapas: na primeira ocorrerá a implantação do museu, e na segunda a realização de um reflorestamento no local. Esta área preservada permitirá que os estudos sobre arqueologia sejam mais aprofundados. "É um ganho para a região, pois temos pouquíssimos museus", afirma.

A coordenadora do Cemaarq da Unesp de Prudente, Ruth Künzli, explica que a equipe de arqueologia da universidade realizará um levantamento na área e, após a obra, ficará responsável por toda a parte de estudos, que inclui a análise das peças e busca por novos materiais. "Este museu será significativo por recuperar a arqueologia e a história da região, além de favorecer o turismo de Epitácio", completa.

Além do museu, a Prefeitura de Epitácio pretende construir no local um centro de pesquisas em parceria com a Unesp, onde serão promovidos cursos de extensão, que envolvam diversas áreas relacionadas ao meio ambiente, como a geografia e a engenharia ambiental.

Künzli esclarece que o material arqueológico encontrado em Epitácio é patrimônio nacional e fica sob guarda da Unesp de Prudente, no Cemaarq. De acordo com ela, o acervo conta com cerca de 10 mil peças que vieram da cidade.

 
Mais detalhes

Segundo Favaretto, na terça-feira está programada outra reunião, desta vez com o prefeito Sidnei Caio da Silva Junqueira, Picucha (PSB), a diretora do MAE, Maria Cristina Bruno e procuradores públicos. Na ocasião, serão distribuídos os trabalhos e definidos os trâmites para dar início às licitações para contratação da empresa responsável pela construção.

Veja também