Região de PP possui 27 cooperativas de créditos

Unidades estão distribuídas em 16 cidades, sendo que a maior parte localiza-se em Prudente, que conta com 5 cooperativas

REGIÃO - ANNE ABE

Data 08/12/2017
Horário 11:41

Na região de Presidente Prudente foi contabilizada a existência de 27 cooperativas de crédito, que são divididas em 16 cidades, conforme dados do Banco Central do Brasil. Dentre este número, a capital da Alta Sorocabana é a que mais possui cooperativas, com cinco unidades. Na sequência, encontra-se Presidente Venceslau e Osvaldo Cruz, com três unidades cada uma. No total, todas as unidades somam um resultado acumulado de R$ 13 milhões. Esse valor é equivalente à “sobra” líquida do exercício da cooperativa, que é distribuída entre os cooperados.

O lucro para empresas representa a remuneração do capital investido pelos sócios, enquanto nas sociedades cooperativas, como o intuito é a prestação de serviços ao seu quadro social por meio de ajuda mútua, o resultado financeiro não é intitulado de “lucro”, mas de sobra.

Para expandir ainda mais o cooperativismo de crédito na região, o conselheiro internacional da World Council of Credit Unions – Woccu (Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito), Manfred Alfonso Dasenbrock, esteve ontem em Prudente para participar de uma reunião entre dirigentes de cooperativas sobre melhoras no setor. Além disso, também aproveitou para conhecer a região, que está crescendo, e fortalecer a atuação regional. “O cooperativismo de crédito no Brasil é algo recente, sofreu muitas rupturas e está se reerguendo. Com a presença robusta em várias comunidades, tem gerado uma participação maior na economia brasileira”, explana.

Segundo o conselheiro, as cooperativas de crédito são instituições financeiras formadas por meio da associação de pessoas para prestar serviços financeiros exclusivamente aos seus associados. Desta forma, aponta que o objetivo primário é fortalecer o relacionamento com o associado, para depois buscar as soluções financeiras. Outro ponto relevante destacado por ele é a agregação de renda e o papel social dessa área do cooperativismo.

“Além de gerar empregos, recolher tributos, tem o papel relevante do exercício da transparência, controle democrático e o exercício dos valores que o cooperativismo segue. Nesse contexto, entendemos que estamos ajudando o Brasil a formar pessoas com senso crítico, acima de tudo, tendo um pilar de ética, dentro da sustentabilidade”, pontua Manfred.

 

Para o futuro

Considerando o cooperativismo como uma ferramenta para o desenvolvimento da região, o presidente do Sicred Rio Paraná, Jorge Bezerra Guedes, deseja o aumento da participação das cooperativas nos sistemas bancários e, ainda, que Prudente se torne uma área de referência. Para isso, anunciou a criação de um prédio central, previsto para ser inaugurado no fim de 2018.

“Temos algumas condições de trabalho para atingir esse objetivo, sendo a transparência no relacionamento com os associados e a organização sistêmica. Isso, pois a cooperativa precisa de credibilidade, para ter maior participação de todos. A estratégia é estar próximo do associado, ser ativo na comunidade e ser simples, porque as pessoas precisam compreender o sistema financeiro”, pontua Jorge.

Veja também