Viúva Quase Alegre

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista a favor da laranja e contra o agente laranja

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 17/10/2020
Horário 05:30

Depois de ficar viúva e de permanecer um tempão sem entrar em um novo relacionamento, dona Esmeralda, que apesar do nome não era nenhuma pedra preciosa, resolveu dar um novo rumo em sua vidinha besta e tediosa, que, basicamente, se resumia em lavar, passar e cozinhar. 
Coisas de dona de casa dedicada, a rainha do lar. Apesar de já estar com 35 anos... em cada perna, ela achava que ainda dava meia-sola na arte do amor.
Quer dizer: Esmeralda, mãe e avó, ainda tinha algumas brasas debaixo das cinzas da existência, mas faltava o principal, ou seja, um parceiro para lhe fazer companhia pelo resto da vida.
"A velha queria arrumar macho", diria Zeca Bordoada, o personagem do ator Guilherme Karam na TV Pirata. Se não fosse macho, que pelo menos fosse maxoxô. "Todo mundo tem seu sassarico, a viúva, o brotinho e a madame", avisava a Virgínia Lane num tempo em que o Brasil não estava tão bizarro e demente como agora.
Depois de um "jejum" de anos a fio, se é que vocês me entendem, Esmeralda tinha o direito e até o esquerdo de continuar sassaricando. Sem avisar nem mesmo a filha mais velha, sua fiel confidente, a viúva entrou numa rede social com a missão descrita pelo Zeca Bordoada.
Toda santa noite, ela conversava com o seu Adamastor, aposentado e também viúvo. Era um velho que já queimava óleo quarenta. Apesar disso, não podia ver um rabo de saia que ficava ouriçado, mesmo não sendo ouriço.
Marcaram encontro. Adamastor tinha um carrão, mas, para não se cansar na estrada, viajou de ônibus a fim de conhecer Esmeralda. Ao chegar, foi recepcionado por Marcinho, o filho caçula da viúva. Gozador, o rapaz apelidou o visitante de Matusalém em alusão à idade avançada de Adamastor.
O velho ficou na sala aguardando Esmeralda, que dava o último "tapa" no visual. Ao entrar na sala, a dona de casa levou um susto, pois esperava conhecer um macróbio com uma cara mais ajeitada, como a que vira online. Claro que não esperava um Brad Pitt da terceira idade.
Depois da saudação de praxe, a anfitriã pediu licença para "passar um café". "Preciso mesmo de um café, a viagem me deixou cansado", disse o velho. Esmeralda, com o café no bule, teve outro susto: o aposentado dormia a sono solto no sofá.
Maior vexame! Foi o suficiente para o filho caçula alfinetar a mãe, recomendando mais cuidado nas redes sociais. Adamastor acordou logo depois e não sabia onde estava. Vai ver baixou o doutor Alzheimer no coitado do velhinho. 
Compreensiva, a mulher explicou o "acontecido". Depois, pediu ao filho para levar o aposentado à estação rodoviária. Não foi desta vez que um viúvo caindo aos pedaços deixou uma viúva alegre. Ou quase alegre.
 
P.S.: Alô, moçada: brotinho era a gíria equivalente a gata e gato, como se fala hoje em dia em referência às pessoas bonitas.
 
DROPS
 
Zoombies imbecis atuais jamais entenderão Zumbi.
 
Em boca fechada não entra Aedes aegypti.
 
O leão não é leonino como certos contratos e seu colega da Receita Federal.
 
Quem semeia vento colhe energia eólica.
 
Homens coloquem as barbas de molho e, como as mulheres não têm barba, não sei o que elas devem colocar de molho.

Veja também