Água sanitária é eficaz para desinfetar objetos e superfícies

Conhecido por saneante domissanitário, o produto é capaz de desativar a Covid-19; Anvisa recomenda diluir duas colheres e meia de sopa de água sanitária em 1 litro de água

PRUDENTE - WEVERSON NASCIMENTO

Data 31/05/2020
Horário 15:31
Isadora Crivelli - Água sanitária é capaz de desativar o novo coronavírus Foto: Isadora Crivelli - Água sanitária é capaz de desativar o novo coronavírus

Desinfetantes comuns e solução diluída de água sanitária ou alvejante são capazes de desativar o novo coronavírus na desinfecção de objetos e superfícies. Isso ocorre porque o vírus tem uma camada protetora de gordura que é destruída por esses produtos. Mas, segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), é importante seguir as instruções de diluição que estão no rótulo.

Conforme orienta o médico infectologista André Luiz Pirajá da Silva, na falta do álcool em gel, a água sanitária, produto classificado por saneante domissanitário, pode ser utilizada para promover a limpeza de algumas superfícies, visto que o vírus “não é resistente” à composição.  No entanto, o produto deve ter sempre uma diluição adequada visando, principalmente, à proteção da pele. “Tanto a água sanitária quanto o álcool são fatores que agridem a pele e podem causar queimaduras. Além disso, o ambiente em que for aplicado deve sempre ser arejado para favorecer a eliminação do vírus no local”.

Já quanto ao uso para desinfetar pisos e outras superfícies, a Anvisa recomenda seguir as diluições recomendadas e aplicar a solução imediatamente, pois ela é desativada pela luz. É valido ressaltar que esses produtos podem manchar alguns materiais. “A diluição recomendada de água sanitária: diluir duas colheres e meia de sopa de água sanitária em 1 litro de água (informação atualizada pela Nota Técnica 47/2020 da agência). Na maioria dos casos, são necessários 10 minutos de contato para inativar os micro-organismos. Aguarde esse tempo após a aplicação do produto para que ele faça efeito, ou seja, não limpe imediatamente a superfície logo após o uso do desinfetante, de modo que o vírus possa ficar em contato com a solução e ser destruído”.

EFICÁCIA DA

ÁGUA SANITÁRIA

Caso tenha dúvidas quanto à concentração do saneante, a Anvisa orienta verificar se o produto é composto por uma dessas substâncias: hipoclorito de sódio; alvejantes contendo hipoclorito (de sódio ou de cálcio); iodopovidona; peróxido de hidrogênio; ácido peracético; quaternários de amônio, como, por exemplo, cloreto de benzalcônio; compostos fenólicos; e desinfetantes de uso geral com ação contra vírus. Essas substâncias estão presentes nas formulações dos produtos em diferentes concentrações e, para o uso correto, siga as orientações do rótulo, que informam a diluição adequada para que a ação desinfetante seja eficiente.

A agência orienta também que a população tenha cuidado com informações compartilhadas por meio de aplicativos, como dicas de uso de substâncias químicas para a produção caseira de produtos saneantes. Isso não é recomendável e pode colocar a sua saúde e a de outras pessoas em risco, em especial pela falta de eficácia. Além disso, há risco de acidentes que podem provocar queimaduras, intoxicação e irritações. No entanto, a Anvisa reforça que existem diversos produtos regularizados no mercado, devidamente avaliados e testados, e que são destinados à desinfecção dos ambientes, utensílios e objetos (chão, superfícies de móveis, maçanetas, corrimão, interruptores de luz, etc.).

Publicidade
eixosp

Veja também