​​​​​​​Pets em casa: elos entre membros da família

A relação entre humanos e estes seres traz vantagens físicas e emocionais importantes para a sobrevivência; psicóloga diz que quem os tem não estão sozinhos!

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 19/05/2020
Horário 06:48
Cedida: A psicóloga Marly e sua linda yorkshire Cristal Foto: Cedida: A psicóloga Marly e sua linda yorkshire Cristal

Nesse período de pandemia em que se faz necessário o isolamento social, nem sempre a busca pelo afeto pode ser correspondida pelos encontros virtuais permitidos pela tecnologia. Nesse sentido, uma boa alternativa pode ser o carinho físico dos pets.  É o que explica a psicóloga Marly Fernandes Santos, da Clínica Ligare, ressaltando que de uma forma geral, os animais sempre irão proporcionar diferentes sensações e emoções para quem os tem em casa. A relação humana e pet traz vantagens físicas e emocionais importantes para a sobrevivência do ser. “Entendemos que eles são vistos como ‘elos’ entre os membros da família e também nos proporcionam uma consciência de que não estamos sozinhos. São parceiros para toda vida no que der e vier. Seres iluminados! E na atual conjuntura, nos ajudam a enfrentar de maneira mais saudável o stress, a ansiedade, a depressão, o medo, a solidão entre outros transtornos, além de nos ensinarem sobre o cuidado e a responsabilidade conosco e para com o próximo”, garante com experiência própria a profissional que tem uma yorkshire de nome Cristal.

Além de o ambiente ficar mais leve e alegre, a psicóloga destaca que a presença e brincadeiras deles produzem serotonina melhorando muito o humor de seus donos dando-lhes sensação de prazer. A companhia desses bichinhos reduz a pressão arterial prevenindo muitas outras doenças cardiovasculares. “Vários são os benefícios em se ter um animal de estimação em casa, pois eles estão sempre prontos a oferecer e receber afeto, aumentando, assim, a nossa autoestima com hábitos positivos, minimizando a sensação de carência vivida com essa pandemia”, acentua.

 

SE RENDENDO

AO AMOR PURO

Com o objetivo de ter uma companhia em casa e acalentar o coração de sua mãe que está distante dele, o veterinário, advogado e professor de Direito Administrativo na Toledo Prudente Centro Universitário se rendeu aos encantos de um pet. Ele que nunca teve um animalzinho de estimação comprou uma Spitz-alemã-anã, qual recebeu o nome de Kyra.

“Eu vivo sozinho e até bem, tranquilamente. Mas a minha mãe adotou um cachorrinho para minha irmã e percebeu a presença importante dele. Ai insistiu bastante para que eu também tivesse um. Resolvi fazer essa experiência e está sendo bem legal. Realmente é uma companhia sempre presente, quando a gente chega em casa já vem correndo aos nossos pés. Se estou trabalhando ela está sempre do meu lado [risos]. Está sendo bem gostoso mesmo, até mais do que eu esperava”, ressalta o professor.

 

PARCEIROS PARA

TODA VIDA

A psicóloga menciona que é sabido que há milhares de anos existe a convivência entre homens e animais, os quais eram utilizados como caçadores, guerreiros, rastreadores, entre outros. Com o passar dos tempos, essa relação mudou e de forma muito positiva. Homem e animal passaram a ser vistos como capazes de demonstração de carinho e afeto mútuo, com  os pets doando aos seus donos sentimentos de felicidade, bondade, entre outros. “Hoje, sabemos que esses animais propiciam reconstrução do ambiente familiar, satisfazem necessidades de afeto, minimizam sentimentos de solidão, oferecendo contato físico e segurança”, garante a psicóloga.

 

Kleber ouviu os conselhos da mãe e está feliz com sua Kyra, uma spitz-alemã-anã

 

 

 

Publicidade
eixosp

Veja também