Civismo deve ser praticado todos os dias e não só em datas especiais

  • 23/08/2019 00:07

Há alguns anos, era comum chegar às escolas e ver crianças e jovens uniformizados, em fila - pelo menos uma vez na semana -, cantando o Hino Nacional. Hoje, poucas unidades praticam o ato cívico, a não ser em datas comemorativas ou época de Copa do Mundo. Muitas pessoas não acertam sequer a letra. Em casa, é mais difícil ainda encontrar quem saiba falar sobre a história da nossa bandeira ou qualquer outro símbolo nacional.  

O feriado de 7 de setembro está chegando. Muitos, acredite, não sabem o seu significado. Mas há 197 anos, nesta data, o Brasil se tornava independente de Portugal. Para comemorar, diversas cidades do país promovem uma programação especial, incluindo palestras, exposições e apresentações musicais, que termina com a realização do desfile cívico.

Em Presidente Prudente, o evento ocorre anualmente na Avenida Washington Luiz e reúne sempre milhares de pessoas. Da mesma forma, é realizada no dia 14 de setembro, em alusão ao aniversário do município, a tradicional Parada Festiva. E os preparativos, como noticiado na edição de hoje, seguem a todo vapor.

Em Álvares Machado, também em comemoração ao 7 de setembro, haverá a 19ª edição do Passeio Ciclístico. Eventos que lotam de gente, que ressaltam a importância de ser patriota, de amar o seu país ou sua cidade e de respeitar a sua história. Mas será que é esse o tipo de civismo que realmente estamos precisando?

Ser patriota não se resume a desfilar no dia ou hastear a bandeira durante a Semana da Pátria. É muito além do que comemorar um gol, vestido de verde e amarelo, em uma partida de futebol. É amar o país, independente de suas falhas ou dia. É ajudar quem precisa, lutar pelos interesses seus e do próximo, exigir seus direitos como cidadão, combater a corrupção, “brigar” por mais educação, saúde e segurança, praticar a solidariedade.

É descruzar os braços, arregaçar as mangas e contribuir para um Brasil melhor. Prestigiar os atos cívicos é extremamente importante, mas amar o lugar onde você vive vai muito além disso... 

ÚLTIMAS DO AUTOR