Como bons brasileiros...sairemos fortalecidos

EDITORIAL - DA REDAÇÃO

Data 02/04/2020
Horário 04:58

Nunca antes o velho ditado popular “só dá valor quem perde” fez tanto sentido. Coisas tão corriqueiras do cotidiano hoje nos fazem uma tremenda falta. Poder caminhar por aí sem preocupação, passear no shopping, levar as crianças ao cinema, enfim, viver! A grande maioria de nós jamais cogitaria passar por uma situação como a que temos experienciado: quarentena. Só a palavra já causa calafrios. Mas, infelizmente, a privação do ir e vir é só a ponta do iceberg, pois as consequências deste período se arrastarão por muito tempo.

Entre os tantos setores que sofrerão impactos enormes deste período estão os dos micros e pequenos empresários, do comércio e da indústria. Estão entre os principais geradores de emprego e renda, fazendo a economia do país girar. Todos sabemos a importância de permanecermos em isolamento social e domiciliar neste momento, contudo, como segurar em casa um pai de família que ganha seu sustento e de sua família na rua? O que dizer para aquele autônomo que, muitas vezes, trabalha hoje para comer hoje? Situação extremamente complicada.

Com tantas informações sendo propagadas por aí, em plena época de fake news, fica difícil saber em quem acreditar. Muitos defendem o isolamento social com unhas e dentes, outros dizem que é preciso fazer um isolamento vertical, deixando em casa somente quem é do grupo de risco. Fato é que agora, mais do que nunca, é crucial buscar informações em fontes confiáveis, em órgãos e instituições renomados.

No caso dos setores de trabalho, por exemplo, é preciso ouvir e colocar em prática as orientações de representantes do próprio segmento. Recentemente, este diário abordou a situação enfrentada pelos MEIs (microempreendedores individuais), com informações valiosas compartilhadas pelo gerente regional do Sebrae (Serviço Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas), José Carlos Cavalcante.

Com sua vasta experiência, ele reforçou a necessidade de se reiventar nesse período, oferecendo serviços delivery, fomentando os negócios nas redes sociais, enfim, se adaptando da melhor forma possível ao cenário vivenciado. Ontem, O Imparcial mostrou a situação da indústria, que ainda luta para se recuperar dos anos de recessão econômica, e agora tem que lidar com a queda exponencial da produção devido à pandemia do Covid-19, que literalmente parou o mundo.

Ainda não sabemos ao certo quando tudo isso irá acabar. Mas certo é que, como bons brasileiros, sairemos fortalecidos. Como cidadãos, faremos a nossa parte, redobrando as horas de trabalho se necessário for, pois temos contas a honrar e impostos a pagar. A esperança que fica é de que pelo menos agora os políticos também arregacem as mangas e trabalhem pelo povo e pela reconstrução do país.

Veja também