Diagnósticos positivos: servidores da Saúde se preocupam com cenário

Funcionários do prédio que abriga a pasta municipal alegam que nos últimos dias duas pessoas foram diagnosticadas com a Covid-19 e que Prefeitura não teria adotado nenhuma medida

PRUDENTE - GABRIEL BUOSI

Data 22/05/2020
Horário 08:15
Marcos Sanches/Secom - Servidores da Secretaria Municipal da Saúde estão preocupados com disseminação da doença Foto: Marcos Sanches/Secom - Servidores da Secretaria Municipal da Saúde estão preocupados com disseminação da doença

Servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Presidente Prudente procuraram O Imparcial para relatar a sensação de medo e preocupação que vivem nos últimos dias. Isso porque, na última semana, no prédio que abriga a pasta e demais setores, duas servidoras foram diagnosticadas com a Covid-19, sendo que, ontem, uma terceira mulher precisou passar por exames, por se enquadrar como um caso suspeito. A preocupação vem pela “ausência de tomada de medidas por parte da Prefeitura, até ontem, como desinfecção do prédio ou testagem dos demais servidores”, mesmo que assintomáticos. “O temor está levando à ansiedade e até pânico de alguns funcionários”, aponta um dos relatos.

A situação teve início na semana passada, quando, segundo os servidores, na terça-feira, uma funcionária da pasta teria sido afastada por apresentar sintomas da Covid-19. Uma semana depois, nesta terça, os servidores foram informados de que o resultado do exame dela foi reagente para a doença, sendo que um dia depois, na quarta-feira, outra pessoa também recebeu o diagnóstico positivo para o novo coronavírus. “E hoje [ontem], recebemos mais um caso que agora se enquadra como suspeito, e o pânico é inevitável, já que se passaram sete dias sem que nada fosse feito, como uma limpeza completa neste prédio, o que nos deixou vulneráveis ao contágio”, aponta uma das servidoras.

Eles comentam terem sido informados de que não haverá testagem para aqueles que não tiverem sintomas, e lembram o fato de que, no início da pandemia, a Prefeitura não flexibilizou o horário de funcionamento do prédio e seus setores, e suspendeu férias e licenças para que todos “estivessem à disposição da saúde local”. Isso, no entanto, trouxe ainda mais aglomeração, conforme relatado, em áreas comuns do prédio, como a cozinha, e que por ser relativamente pequena – frente aos cerca de 80 funcionários – faz com que haja aproximação em diversos momentos.

“É o tempo todo essa angústia e o medo da contaminação, que pode ser adquirida no trabalho e levada para a nossa família. Um planejamento de isolamento social deveria ser levado em questão, mesmo que com trabalho home office”, apontam os relatos.

MEDIDAS ADOTADAS

PELA PREFEITURA

A Secretaria Municipal de Saúde afirmou, ao ter conhecimento das reclamações, que desde o início da pandemia adotou medidas de desinfecção dos espaços, incluindo a sede da pasta, que ocorreu ontem. Alertou que com a notificação de casos suspeitos na secretaria, esses cuidados foram redobrados, inclusive com regras para que os funcionários também colaborem na desinfecção, realizando a higienização do seu equipamento individual de trabalho.

Já em relação ao afastamento dos funcionários, afirma que ele não é determinado pela Secretaria de Saúde. “Ao manifestar qualquer sintoma da doença, o servidor pode procurar pelo Centro Municipal de Triagem da Covid-19, como aconteceu com os funcionários suspeitos, para análise médica”, que é o que determinará se o caso requer isolamento social e monitoramento, que ocasionará no atestado médico.

Por fim, sobre férias e/ou licenças, alega que há um decreto que suspende esses benefícios temporariamente, já que a Secretaria de Saúde é a pasta que está na linha de frente do enfrentamento do coronavírus. “Tal medida foi adotada, inclusive, pelo governo do Estado para os servidores estaduais da saúde”.

Veja também