Amor de mãe!

Sacristão testemunha milagre como parte de história de vida

Fernando Costa Borges, que trabalha no Santuário de Nossa Senhora Aparecida de Presidente Prudente, foi curado de um câncer enquanto clamava à virgem pela oração e intercessão diária

OSLAINE SILVA - Da Redação • 12/10/2018 06:00:00

Foto: Marcio Oliveira: Fernando vive fervorosamente uma vida de amor e fé à Nossa Senhora Aparecida, mãe de Cristo Jesus

“Milagres acontecem!”. É o que afirma Fernando Costa Borges, 30 anos, sacristão do Santuário Nossa Senhora Aparecida, localizado na Vila Marcondes, em Presidente Prudente. Isso porque um foi cumprido em sua “história de vida”. Hoje, 12 de outubro, é Dia de Nossa Senhora Aparecida.

Há três anos, em 4 de setembro em 2015, enquanto descansava em seu horário de almoço em um sofá, após dois meses trabalhando na secretaria paroquial do santuário, Fernando começou a passar muito mal. As pernas muito inchadas o impediu não apenas de levantar-se, mas também lhe faltou forças vocais para pedir ajuda. Ali começava um processo doloroso!

Um amigo que também é paroquiano, Marcelo, o socorreu com outros membros da igreja. Além disso, pegou seus exames e os levou até o urologista, Enio Luiz Tenório Perrone, que era seu conhecido particular. Antes disso, Fernando que trabalhava em outra empresa, por já não estar se sentindo bem foi ao médico e fez alguns exames...

“Eu não tinha condições de pagar uma consulta particular e graças ao Marcelo, imediatamente o médico diagnosticou a gravidade do meu problema”, expõe o sacristão.

Pensa, da noite para o dia descobrir um câncer terminal que já estava em estágio avançado, totalmente espalhado pelo corpo. Mas, ele não sabia que era essa doença que ele tinha. Levado para a Santa Casa de Misericórdia, ali ele ficou durante 28 dias fazendo baterias e baterias de exames, biopsia... E mesmo em meio a tudo isso, Fernando conta que estava calmo, porque não entendia o que estava acontecendo com ele. Todas as pessoas ao seu redor sabiam, outras imaginavam, mas ele mesmo não tinha ideia. E ali, em cima de uma cama, ele passou muito mal, emagreceu e sentiu muita dor!

Até que um dia a médica Patrícia, qual ele não se recorda o sobrenome, que estava o tratando chegou e conversou com ele. “No momento que ela falou que havia sido diagnosticado o câncer comecei a chorar. Senti muito medo e pensei na hora que iria morrer, perder a minha vida, pois sabemos que muitas vidas se perdem por causa dela. E eu queria construir minhas coisas, conquistar meus objetivos. Foi muito difícil estar ali sabendo o que tinha”, lembra.

O tipo de câncer, seminoma, que manteve Fernando na cama era um que começou no testículo, subiu para o abdômen, o mais agravante que cresceu numa proporção de 15 centímetros, se alastrando.

 

“Clamando por Milagres”

Fernando fez o primeiro procedimento cirúrgico. E continuou internado. Nesse período estava ocorrendo o Cerco de Jericó, no santuário. O tema era “Clamando por Milagres” e enquanto sua família e amigos rezavam incessantemente, clamando a Deus por sua vida, ele naquele hospital de “misericórdia” suava sem nem mesmo estar tão calor assim. “Eu sentia essa energia positiva vindo até mim. O poder da oração se transformando e chegando até o hospital!”, exclama o sacristão.

Até que um dia, se sentindo muito cansado, com muita dor, prestes a dormir, Fernando recebeu uma visita maravilhosa. Padre Bruno e uma missionária que estaria pregando no Cerco naquela semana, a irmã Zélia, fervorosa, pessoa totalmente entregue a Nossa Senhora, devota de Fátima, entraram em seu quarto. Mas, quando ela entrou, Fernando não a enxergava, mas sim uma luz como se fosse um sol brilhando, como a própria Nossa Senhora de Fátima coberta com manto branco, a coisa mais linda!

“Só quando ela se aproximou de mim foi que vi que era irmã Zélia, dizendo: ‘irmão, vim fazer uma oração para você’. Naquele momento fiquei muito feliz porque eu queria ter participado da pregação dela e não pude. Mas, ela estava ali, me visitando!

Naquele momento, os dois fizeram uma oração muito forte, poderosa, clamando pela cura de Fernando. Antes de ir embora, irmã Zélia deu duas medalhas milagrosas de Nossa Senhora das Graças, ao sacristão e pediu-lhe que deixasse uma dentro da garrafinha de água (seus rins estavam prestes a parar de funcionar) e a outra embaixo do travesseiro para que ele pudesse dormir...

Eles foram embora, anoiteceu e Fernando adormeceu, mas... “Acordei durante o sono sentindo um cheiro forte de rosas. Cheiro de um perfume muito bom. Essa era a sensação. Eu olhava para um lado, para o outro procurando de onde vinha aquele cheiro. Cheguei a perguntar à enfermeira se alguém havia passado por ali usando perfume com odor de rosas!”, conta.

Desde então, Fernando passou a fazer diariamente a oração de Nossa Senhora e começou a ter paz de espírito. Já não tinha mais aquele medo de perder sua vida. Agora, ele pensava que independente do que lhe fosse acontecer, não ficaria triste, nem murmurando. Se ficasse vivo ficaria feliz. Ele encontrou a paz que necessitava para passar por essa tribulação.

“Senti-me confortado por ela [Nossa Senhora] e durante todas as noites seguintes, ali naquele quarto do hospital, eu sentia o perfume dela, o cheiro de rosas. Eu agarrava a medalha nas mãos, fechava os olhos e rezava para ela e a sentia ali cuidando de mim!”, fala com a voz cheia do amor da mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo!

 

Milagres vão acontecer

Depois da alta do hospital, Fernando conta que começou o tratamento quimioterápico. Mais uma luta! Muito intensivo, difícil.  Acabou com ele. Perdeu seus cabelos, a imunidade baixíssima, emagreceu ainda mais. Ao todo foram quase 20 quilos perdidos. Ele conta que ficou com aparência de muito doente mesmo, ao ponto das pessoas nem o reconhecer. A proposta da médica era fazer essa quimioterapia para diminuir a proporção do câncer em todo seu corpo para então uma cirurgia de retirada.

Enquanto isso o Cerco de Jericó continuava, sua família rezando por ele enquanto os exames de rotina seguiam, e mesmo fraco não deixava de fazer suas orações noturnas para Nossa Senhora. Até que veio a “surpresa”, após fazer uma tomografia, prestes a sua atual oncologista, Lucia Guedes, fazer uma cirurgia nele. Com o resultado nas mãos a médica olhava de cima para baixo, de baixo para cima, lia e relia os laudos até que olhou para o sacristão de Nossa Senhora Aparecida e disse: “Fernando, você já não tem mais nada! Não tem mais nenhum procedimento que seja preciso fazer com você. Confesso, estou surpresa pela proporção, a gravidade que a doença estava e, de repente, da noite para o dia sumir assim, completamente?! De tantos pacientes que já tive ao longo da minha carreira, nunca vi isso acontecer!”. “Quando fui mandado embora da empresa que trabalhava, totalmente nulo, sem carteira assinada, em seguida recebi uma mensagem do padre Bruno perguntando se não estava interessado em trabalhar na paróquia. Nossa! Eu já estava preocupado em ficar desempregado e me vem esse emprego! Na igreja! E após apenas dois meses trabalhando ali, o inchaço na virilha, depois descendo para as pernas e: um câncer! Então, envolvendo tudo isso, a medicina, acima de tudo, entendo que está a minha crença, a minha fé, da minha família e dos meus amigos em Nossa Senhora. Desde então me tornei ainda mais fiel a ela. Meus trabalhos no santuário. Essa é a minha história de vida. De amor, fé e milagre!”, agradece a mãe o fiel sacristão!

 

(((OLHO)))

“Envolvendo tudo, a medicina, está minha crença, minha fé, da minha família e dos meus amigos em Nossa Senhora. Desde então me tornei ainda mais fiel a ela. Essa é a minha história de vida. De amor, fé e milagre”

Fernando Costa Borges

devoto de Nossa Senhora Aparecida

 

PROGRAMAÇÃO À PADROEIRA

 

Sexta-feira – Festa Solene

 

"APARECIDA, MÃE DOS HUMILDES E PEQUENINOS!"

 

6h - Alvorada Festiva

Oração do Angelus Terço de Nossa Senhora

7h - Primeira Missa:

pe. José Schwind, SAC

Liturgia: Capela Santa Teresinha

9h - Segunda Missa

Pe. Fernando Rigão, SAC

Liturgia: Catequese Consagração das Crianças Coral das Crianças

12h Terceira Missa

Pe. Amaury José Domingues, SAC

Missa das Marias e Aparecidas

Liturgia - Capela São Vicente Pallotti

A partir das 11h: Almoço por kg no Salão Paroquial

15h Quarta Missa

Pe. Roberto de Paula Silvério, SAC

Liturgia: Capela São Vicente de Paulo

18h - Missa solene e procissão

Benedito Gonçalves dos Santos e padres do Santuário concelebram

Liturgia: Santuário

 

*Obs: para a procissão, levar sua vela

Gesto concreto da novena: doação de fraldas geriátricas de qualquer tamanho

Pe. Amaury José Domingues - pároco

Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida


 

 

 

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste