Solidariedade: um ato de amor!

  • 26/10/2019 04:00

A humanidade, a cada dia que passa, dá um passo a mais e muito importante no caminho da solidariedade. Ao que tudo indica, o espírito da coletividade finalmente tem tocado a maioria dos brasileiros, que não mede esforços para participar de ações que visam fazer a diferença na vida daqueles que serão beneficiados. Pensando justamente neste intuito é que, conforme noticiado por este diário nesta semana, a Santa Casa de Misericórdia de Presidente Epitácio deu início a uma campanha denominada de “Adote um Quarto”.

Como o próprio nome diz, a intenção é a de, através do aporte financeiro, promover aconchego, qualidade de vida, bem-estar e alegrar a vida daqueles que precisam dos cuidados do SUS (Sistema Único de Saúde). A adoção, que pode ser feita por uma única pessoa ou empresa, ou então rateada por um grupo de interessados, tem valor final aproximado em R$ 29 mil e proporcionará, por exemplo, novas janelas, para melhor fluidez da ventilação e claridade, poltronas para acompanhante, ventilador de teto, aparelho televisor, ar-condicionado, banheiro com acessibilidade e barras de segurança.

A ação pode ser vista como um último pedido de socorro, já que, conforme veiculado, atualmente a unidade - com a quantia que recebe de recursos - consegue apenas manter o custeio do serviço (folha de pagamento e insumos, medicação), já que a santa casa não recebe recursos para estrutura física, o que a faz depender e correr atrás, por exemplo, de emendas parlamentares.

“É uma forma de mostrar que a entidade filantrópica é da população e ninguém melhor do que ela para cuidar e ajudar a melhorar o ambiente hospitalar e tratamento dos pacientes”, sintetizou o secretário municipal de Saúde, Miguéias Alves de Oliveira, sobre a importância da iniciativa, que de fato é necessária e já começou a surtir efeitos após ser noticiada. Se quando a população está doente, ela recorre aos hospitais, nada mais justo do que, como uma forma de agradecimento e reconhecimento, o próprio povo ajude, na medida do possível, a reerguer aquilo que lhes é de direito.