Toque de recolher: experiências em outros países

Moradores da França e Estados Unidos relatam mudanças na rotinapara evitar contaminação pelo novo coronavírus

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 29/03/2020
Horário 08:19
Cedida - Na França, Sérgio ocupa o tempo com leitura e estudos Foto: Cedida - Na França, Sérgio ocupa o tempo com leitura e estudos

Acordar às 8h: a partir daí, 1 hora de atividades físicas, uma rápida passada pelo supermercado a cada três dias. Leitura, leitura e mais leitura. Essa tem sido a rotina de confinamento do advogado e professor prudentino, Sérgio Luiz de Almeida Ribeiro, 46 anos. Há três meses ele reside em Perpignan, cidade localizada ao sul da França, onde estuda seu doutorado. Desde que a Europa se tornou o centro da pandemia da Covid-19, novo coronavírus, o a dia a dia do advogado passou por diversas mudanças.

Dentre elas em relação ao próprio curso – antes com aulas presenciais, hoje, passaram a ser online. “Tem sido um aprendizado e uma experiência de vida por ver in loco como os europeus lidam numa situação como esta da pandemia”, afirma. Conforme o advogado, o governo local adotou medidas para evitar a contaminação da comunidade pelo novo vírus. Desde o meio-dia de 17 de março, o hábito de sair de casa passou a ser restrito, e o cidadão deve levar consigo uma autorização contendo nome completo, nascimento, endereço, horário de saída, data e assinatura.

“Somente é permitido sair para trabalhar [em situações que não seja possível o ‘home office’]; viagem profissional que não pode ser adiada; fazer compras essenciais em estabelecimentos autorizados [há uma lista desses estabelecimentos]; por motivos de saúde ou para socorrer um familiar; e para fazer atividade física individual e passear com animal de estimação durante 1 hora”, expõe o advogado. Quem não obedecer ao confinamento ou não apresentar uma das justificativas acima pode ser multado entre 38 a 135 euros.

Além dessa medida, o governo adotou o toque de recolher. De acordo com o relato de Sérgio, às 20h toca uma sirene e quem for pego na rua pagará uma multa de 3,7 mil euros, e também responderá a processo criminal. “Vejo que essa pandemia irá passar e será um divisor de águas no comportamento das pessoas. Estou otimista, apesar da gravidade”, afirma.

“EXPERIÊNCIA

PREOCUPANTE”

Situação que não é diferente na cidade de Morristown, nos Estados Unidos. De acordo com o intercambista Marcelo de Melo Bernini Conte, 26 anos, o governador do Estado de New Jersey determinou toque de recolher às 20h, experiência que Marcelo considera “preocupante e complicada”. O engenheiro ambiental, que morou em Prudente durante seis anos, conta que todos os compromissos e atividades tiveram que ser cancelados ou feitos de maneira online.

“Passei de um cenário bastante corrido e ativo - trabalho, estudos e lazer, para um cenário quase que exclusivamente residencial”, lamenta Marcelo. “Conviver em quarenta e isolamento não é o que se espera em um intercâmbio”. Porém, para manter o equilíbrio mental durante esse momento, procura fazer contato com familiares que residem em Jaú (SP). “Acredito que a minha preocupação com eles no Brasil é maior, pois quando consigo acompanhar as notícias vejo que muita gente ainda não tem dado a devida importância para o coronavírus”.

“O momento é novo para todos e por isso temos que fazer a nossa parte para que tudo possa se resolver logo para voltarmos novamente para nossas atividades e nossas vidas normais”, considera Marcelo. “Sacríficos individuais têm que ser feitos para o bem comum”.

Publicidade
eixosp

Veja também