“Ameaça D” vence categoria Super  Curta de Cannes, do mês de julho

Conforme o diretor do filme, João Francisco Cunha, dos 75 selecionados o seu era o único brasileiro; premiação o coloca numa competição anual pelo troféu 

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 29/08/2021
Horário 06:40

O curta-metragem “Ameaça D” , do cineasta ranchariense João Francisco Cunha, foi campeão na categoria Super Curta do Festival Mundial de Cinema de Cannes, na França, do mês de julho, o que automaticamente, segundo o cineasta, o coloca numa competição anual pelo troféu e da a oportunidade de ter seus filmes exibidos em um famoso teatro de Cannes. “No mês de julho tinha 75 selecionados e ‘Ameaça D’ era o único filme selecionado do Brasil’!, exclama orgulhoso o diretor do curta.
João conta que todos já estavam felizes pela seleção oficial, aí foi afunilando e passaram a ser semifinalistas, depois finalista do mês de julho. Como os resultados estavam saindo todo fim de semana não esperava que saísse em plena segunda feira, mas não sabe porque  resolveu entrar no site e lá estav: “‘D Thread [Ameaça D] melhor curta metragem em Cannes na categoria Super Curta do mês de Julho’. Todos os ganhadores mensais estão automaticamente na competição anual pelo troféu e a oportunidade de ter seus filmes exibidos em um famoso teatro de Cannes. Nossa!”, comemora João mais uma vez.
Conforme o cineasta, dos seus últimos três curtas, “Flerte Fúnebre”, o documentário: “Rancharia” e o “Desastre Aéreo de 1951” e “Olhos Vendados”, só tinham participado de mostras não competitivas e nacionais. 
“Meu último curta-metragem a participar de um festival internacional foi o ‘Cine Cabana’, onde o roteiro foi contemplado pelo Ministério da Cultura em 2007 e ganhei R$ 60 mil para produzi-lo em 35mm. Depois disso com exceção do documentário do avião, todos foram ‘filmes independentes’, poucos recursos e feitos com amigos, inclusive, ‘Ameaça D’, além de não ter recurso nenhum fizemos durante a pandemia. Eu dizia em tempos de pandemia filmes feito em família e meu irmão, Fábio da Cunha, que é o ator, dizia: depois dos irmãos Coen  [referindo-se aos irmãos cineastas americanos] os irmãos Cunha [gargalhada]”, lembra João.

 

Ser campeão em
Cannes muda tudo

João diz que agora está com melhor currículo para apresentar novas propostas para os editais. Ele explica que todos os ganhadores do Cannes Word Film Festival ganham créditos no IMDB que é uma plataforma internacional também conhecida como Internet Movie Database, é uma base de dados online de informação sobre cinema TV, música e games, hoje pertencente à Amazon.
“Atribuo essa conquista no entendimento que os jurados de Cannes tiveram em sacar o grau de dificuldade pra realizar, editar e sonorizar as cenas, além da excelente atuação do meu irmão”, expõe. 
Ainda não está disponível, tem outros festivais que exigem isso também, mas estão preparando uma mostra em Rancharia, se tudo der certo, no dia 3 de setembro, com as restrições adequadas e pedirão como entrada 1kg (quilo) de alimento não perecível para ser doado a alguma instituição. 
“O Sesc Thermas de Presidente Prudente deve exibir também assim que o Cine Bosque retornar. Em ‘Ameaça D’, existe uma perseguição eminente, um pavor e medo no ator que deixa o telespectador apreensivo. nesse filme em apenas três minutos temos ação, drama e suspense.  Existe em Ameaça D um questionamento se isso acontece só ali com o ator ou em vários lugares. [risos] falei muito já”, brinca João.

 

Novos projetos


O cineasta já tem dois outros roteiros que está sempre dando uma lapidada e batalhar o documentário sobre Dino Franco. Com o prêmio de Cannes agora deve facilitar um pouco mais a captação de recursos para os próximos, principalmente para os editais. “Sempre estou mandando projetos para os editais, é muito concorrido. Quando não entra voltamos ao ‘cinema independente’. Alguns curtas e o documentário estão disponíveis no canal ‘Manifesto das Artes’”, indica o cineasta.

Foto: Cedida

 “Sempre estou mandando projetos para os editais. Quando não entra voltamos ao ‘cinema independente’
 

Veja também