Equipe da Apea conquista  1ª edição da Copa Mix de vôlei

Após um ano sem competições, por conta da pandemia, 5 times participaram do torneio disputado no ginásio de esportes da Prudentina

Esportes - CAIO GERVAZONI

Data 12/11/2021
Horário 19:07
Foto: Cedida
Atletas da Apea, Paula Carolina, Carla Crelis, Patrícia, Eliane, Dayane, Cintya, Cristiane, Aline, Rafaela, Natália, Yzabella e Dalila, junto ao treinador Juliano Scatolon
Atletas da Apea, Paula Carolina, Carla Crelis, Patrícia, Eliane, Dayane, Cintya, Cristiane, Aline, Rafaela, Natália, Yzabella e Dalila, junto ao treinador Juliano Scatolon

“Ficamos parados devido à pandemia por praticamente um ano”, pontua Juliano Scatolon, treinador das duas equipes finalistas, Prudentina e Pioneiras, da 1ª edição da Copa Mix 2021 de vôlei feminino. Melhor para a equipe da Apea (Associação Prudentina de Esportes Atléticos), que levantou o primeiro caneco da copa, após superar o time de Regente Feijó por dois sets a um. Participaram do torneio, realizado no ginásio de esportes da Prudentina, a equipe da CIA do Vôlei, de Araçatuba, que ficou na terceira colocação, e os times da Acae (Associação Cultural, Agrícola e Esportiva) e da Mix, ambos de Presidente Prudente. 
“Voltar a competir foi muito gratificante. Ver minhas atletas evoluindo, com saúde e praticando um esporte tão lindo como é o voleibol só me deixa muito feliz e orgulhoso”, descreve Juliano, ao comentar sobre a sensação de retomar o esporte e convivência com a comunidade que pratica o voleibol.
“Sei das dificuldades que estamos passando, a maioria das atletas são mães, dona de casa, trabalham fora e mesmo assim conseguem conciliar tudo isso com o vôlei”, narra o treinador, ao falar sobre a garra das atletas, que tornam “o time da Apea um dos mais competitivos em Presidente Prudente na sua categoria”.
Para a ponteira Cristiane Calçado, a Cris, da Prudentina, que figurou na seleção das melhores atletas do torneio, retomar o vôlei, os treinamentos e as competições é uma maneira de extravasar as angústias do dia a dia por meio da prática esportiva. “Depois de um longo tempo de pandemia, onde a gente teve que se privar de muitas coisas, não só do nosso esporte, mas dos passeios, das nossas distrações... voltar com os treinos, com o nosso bate-bola, as nossas interações entre as meninas, foi muito bom”. A atleta relata que participar de torneios, como a Copa Mix, é um meio para descarregar a “vontade de jogo”que estava acumulada.  

“VOLTAR A COMPETIR FOI MUITO GRATIFICANTE. VER MINHAS ATLETAS EVOLUINDO, COM SAÚDE E PRATICANDO UM ESPORTE TÃO LINDO COMO É O VOLEIBOL SÓ ME DEIXA MUITO FELIZ E ORGULHOSO”
Juliano Scatolon

“A gente está voltando ainda com muita cautela, porque como estávamos paradas, pode ter risco de lesão. Mas este recomeço é uma esperança de bons tempos que estão voltando para nós, do que tínhamos e a gente, muitas vezes, não agradecia ou valorizava”, descreve a ponteira da Apea, Cristiane Calçado. 
De acordo com a atleta, ser escolhida entre as melhores do torneio é algo efêmero, “passageiro”. “O que mais vale a pena é a gente poder retomar, voltar ao que é prazeroso: sentir a vida pulsante. É gostoso estar junto, conhecer novas pessoas, ver a formação de novas equipes e perceber que estas novas formações são pelo entusiasmo de nos ver competir, de ver a gente treinando. Isso é o mais importante”, completa. 

Competições rolando

Conforme indica o treinador Juliano Scatolon, após três etapas disputadas, a equipe da Apea está classificada para semifinal da Taça Master 40+ - para atletas acima de 40 anos – que será disputada no dia 28 deste mês. “Ah, e ainda tem um quadrangular em Regente Feijó, no dia 20 de novembro para feminino e 21 do mesmo mês para o masculino. Depois iremos para a disputa da Mastercup, que será de 6 a 18 de dezembro, aqui em Prudente mesmo”. 
 



 

Veja também