3 fisiculturistas de Prudente competem de hoje a domingo no Brasileiro

André Nogueira, 43 anos, Helton Dezoppa, 45, e Gabriel Escobar, 22, treinam na Academia Mendes Fitness e falam de suas expectativas para o campeonato na capital

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 26/08/2021
Horário 08:08
Foto: Luther Rodrigues Fotografias
André no bicampeonato do Estadual de Fisiculturismo IFBB MS que o classificou para o Brasileiro
André no bicampeonato do Estadual de Fisiculturismo IFBB MS que o classificou para o Brasileiro

Os atletas de fisiculturismo da Academia Mendes Fitness de Presidente Prudente, André Luiz Nogueira, 43 anos, Helton Dezoppa, 45, e Gabriel Escobar, 22, disputam o 51º Campeonato Brasileiro de Fisiculturismo e Fitness, de hoje a domingo, na cidade de São Paulo (SP), após ficarem em primeiro, segundo e terceiro lugares em suas categorias, respectivamente, no Campeonato Estadual de Fisiculturismo IFBB MS.
André, que iniciou fisiculturismo por paixão pelo esporte e inspiração por filmes do famoso ator Arnold Schwarzenegger, se dedica ao esporte há 20 anos com alguns intervalos. Bicampeão no estadual, ele diz que as expectativas são as melhores possíveis para o Brasileiro, tendo em vista que estão muito bem preparados este ano. 
Ele treina em média de 50 minutos por dia com mais 40 de cardio em horários distintos. “O campeonato nos dá condições de participar de eventos ainda maiores, inclusive fora do país. Agora o mais importante será apoio para irmos ao Campeonato Brasileiro. Estamos na correria. Os custos da competição costumam ser altos. Inscrição, categorias, passagem, hospedagem e o básico”, destaca o atleta.
Helton, o mecânico de profissão que trabalha por conta, é atleta do fisiculturismo desde 2015. Ele conta que já em sua primeira competição foi campeão estadual, e que em seu histórico de compensações nestes seis anos, tem também um bicampeonato estadual, 4º melhor do Brasil em 2016, top3 estadual 2018, vice-campeão estadual este ano, entre outras medalhas em competições regionais.
“Também estou com boas expectativas, porque estou num ótimo condicionamento físico, e considero que tenho experiência de várias competições. Sigo uma rotina de treinamento de uma hora por dia de segunda a sábado, com treinos específicos de alta intensidade para grupos musculares separadamente”, salienta o atleta.
E explica que o Campeonato Brasileiro, assim como Estadual, tem as mesmas regras e cada um classifica para o estágio seguinte. No caso do Brasileiro para o Sul-Americano ou Arnold Class, são divididos em categorias, masculino e feminino, por peso, idade e altura, dependendo da categoria. “Geralmente é o Top 6 de cada categoria. Olhar lá pra trás e ver que você subiu cada degrau é uma realização pessoal”, acrescenta Gabriel.

Ser campeão é a expectativa

O mais jovem dos três, Gabriel ou Gael como os amigos o chamam, diz que, claro que independente do resultado, todo atleta se prepara para ser campeão. E como uma meta secundária, ele tem o desejo de melhorar o seu físico da última competição. Ou seja, se superar. Conseguir apresentar um resultado final melhor do que apresentou na última competição. “Ou seja, o atleta se prepara para ser campeão e superar a si mesmo. Então o meu objetivo é conseguir uma boa colocação, se Deus quiser o primeiro lugar, e superar o meu último resultado físico”, pontua Gabriel.
O jovem menciona que os treinos têm fases e fases. Ou seja, eles mudam. Quando se está perto de uma competição, tem-se que ter uma atenção maior ao treinamento, uma dedicação de tempo a mais, porque nessa fase o treino tem caráter exaustivo. Particularmente, ele diz que a sua atual é acordar de manhã, treinar mobilidade, respiração que ajuda a controlar quando está se apresentando no palco, principalmente na parte diafragmática. “Mas a minha rotina varia muito. Faço treinamento de musculação de 1h a 1h20, mais uns 50 minutos de exercícios aeróbicos que vou intercalando entre uma caminhada, esteira ou bicicleta”, acrescenta Gabriel.

Fisiculturismo é uma ciência

“Eu sempre quis ter um corpo estético. E comecei a treinar por ser magro e uma coisa acabou levando a outra. O fisiculturismo é uma ciência, sendo necessário: paciência, dedicação e muita disciplina, eu costumo dizer que é o esporte mais difícil que existe, porque estamos moldando o próprio corpo”, frisa Helton.
Para ele, se existe amor no que se faz, sempre vale a pena todo esforço empenhado porque ao contrário do que muitas ainda pensam e comentam por aí, fisiculturista tem que estar saudável. “Porque senão é impossível fazer uma preparação para uma competição. Levamos nosso corpo quase ao limite, por isso um atleta mantém uma vida regrada, boa alimentação, atividade física constante, portanto, sim, vale a pena”.

Uma peça fundamental

André diz que é importante ressaltar que parte do seu sucesso nesta competição deve ser creditada ao treinador Marcelo Yoschino, pois mesmo ele decidindo um pouco tarde sua preparação, o profissional o fez acreditar que era possível.  “Em 40 dias, através de uma alimentação e treinos específicos, elevou o meu físico ao nível de campeão, atingindo menos de 5% porcentual de gordura e um bom volume de massa magra. Simplesmente fantástico”, agradece André.

Cedidas

Helton diz que ao contrário do que muitos pensam e dizem por ai, fisiculturista tem que estar saudável


Gabriel: “Meu objetivo é conseguir uma boa colocação, se Deus quiser o primeiro lugar”

Veja também