A Confissão

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista a favor do touro e contra o toureiro

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 09/09/2020
Horário 05:30

Seu Tenório nunca tinha se confessado e, aconselhado por um amigo, resolveu abrir o coração pro padre Antero. Ficou horas a fio no confessionário e, pasmem, o tema da conversa com o prelado foi apenas um: sexo. Isso mesmo: o velhote, tido como velho assanhado, só falou de sexo. Em suma: era um tarado.
Padre Antero ficou surpreso, mas, como piedoso sacerdote que era, ouviu com atenção a confissão do fiel, um atleta do sexo. "Eu tô muito triste de perguntar pro senhor se essa ‘coisa’ é pecado. Se fazer sexo é pecado?", perguntou Tenório ao padre.
"Por que você pergunta isso?", indagou o sacerdote. E Tenório prosseguiu: "De madrugadinha eu acordo a minha mulher e ‘crow’. Quando ela se levanta e faz café eu também ‘vou pra cima’ e a gente ‘faz’ em cima da mesa da cozinha", contou.
O padre coçou a barba, pigarreou e o velho, com jeitão de matuto, foi em frente, sempre confessando as suas peripécias sexuais e, ao que parece, deixando claro que era o Kid Bengala do sertão do Laranjinha.
“No ‘armoço’, ela tá fazendo o ‘armoço’, eu também não resisto e ‘crow’ de novo", explicou Tenório, que emendou: "Na hora que ela tá lavando a louça eu também troco o óleo e, de tarde, a gente troca carícias". Na verdade, ele falou outra coisa e não carícias.
Em seguida, o velhote explicou que "de noite a gente" (ele e a mulher) começa tudo de novo. "Eu tô viciado. O senhor acha que isso é pecado?", perguntou. 
Ao ouvir a confissão, o padre Antero de novo coçou a barba, deu mais uma pigarreada e comentou: "Olha, rapaz, fazer sexo não é pecado, o amor não é pecado. Pode fazer à vontade. Pecado é tu mentir pro padre, seu vagabundo. Some daqui, senão te dou uma sova".
Depois dessa, o velhote "bom de taco" nunca mais falou com o padre. Quando se viam na rua, trocavam de lado. Tenório brigou com o amigo que lhe recomendou a confissão. Foi uma briga feia e, segundo as más línguas, ele levou um chute justo naquela anatomia do corpo tão protegida pelos jogadores na cobrança de faltas.

DROPS

Bandeira americana nas comemorações do 7 de Setembro. Ué, é independência ou morte ou dependência ao Norte?

Cadê o feijão com o arroz? Compre grãos à prestação.

Tem gente contra a vacina. Prefere a Cloroquina para derrotar o coronavírus. Isto é Brasil.

Milhões nas praias. Combinaram com o coronavírus?   
 

Veja também