A falsa perfeição cristã (2)

OPINIÃO - Sandro Rogério dos Santos

Data 05/07/2020
Horário 04:13

Além de ‘confundir a devoção com devoções’ e ‘mortificar o corpo, mas não a língua’, há mais dois itens na lista da falsa perfeição cristã: esquecer a conversão do coração e os fenômenos extraordinários.

Toda devoção fundamentada nas obras exteriores, esquecendo a conversão do coração, é falsa. Não que tais obras sejam ruins, mas se ocupando exclusivamente delas a pessoa se esquece da conversão do coração e de vigiar os seus movimentos, expondo-o às armadilhas do demônio. Esse espírito maligno, vendo que elas se divertem e se desviam do caminho verdadeiro, não apenas lhes permitem continuar seus exercícios habituais com prazer, como enche sua imaginação de ideias fantásticas e vaidosas das delícias do paraíso, onde acreditam já estar e terem Deus dentro de si. Durante a oração, o demônio também sugere pensamentos sublimes, curiosos e agradáveis a fim de numa abstração total de si mesmas se esqueçam de todas as coisas com as quais deveriam se ocupar.

É fácil reconhecer tais ‘almas errantes’ por sua vida e costumes. Em todas as coisas, grandes ou pequenas, desejam ser sempre preferidas em detrimento das outras: são caprichosas, indóceis e obstinadas em seu próprio juízo. Cegas em suas próprias ações, têm sempre olhos abertos para ver e censurar as alheias. Se alguém toca, ainda que levemente, na opinião ou estima que têm sobre si mesmas, ou as quer separar daquelas devoções às quais estão acostumadas, ficam com raiva, perturbadas e extremamente inquietas. Finalmente, se Deus, a fim de conduzi-las ao verdadeiro conhecimento de si e do caminho da perfeição, envia-lhes trabalhos, enfermidades e perseguições (que são as provas mais certas da fidelidade de seus servos, e que nunca acontecem sem ordem ou permissão de sua providência), elas descobrem seu fundo falso e seu interior corrompido e desgastado pelo orgulho. Frente às dificuldades ou provas caem das nuvens donde se sentem habitar e se retiram da igreja (de movimentos, pastorais e até da Santa Missa). Cheias de si, não conformam a sua à vontade divina.

Último ponto é confundir a perfeição com os fenômenos extraordinários. Algumas pessoas, após leitura de mística ou da vida de santos nas quais se fala de êxtases e visões, creem que a perfeição consiste nos fenômenos extraordinários e por isso se esforçam para terem tais fenômenos em si. Não entenderam que segundo o testemunho dos próprios místicos, esses fenômenos não constituem a santidade, são apenas acessórios aos quais ninguém deve aspirar; e que o caminho da conformidade com a vontade de Deus é muito mais seguro e prático.

Seja bom o seu dia e abençoada a sua vida. Pax!!!

Veja também