A formação superior e o novo mercado de trabalho

OPINIÃO - Luiza Sobhie Muñoz

Data 26/06/2020
Horário 04:53

O novo coronavírus acarretou profundos impactos e transformações no mercado de trabalho e, consequentemente, o aumento das taxas de demissões e fechamentos de empresas estão sendo registrados. Dentro desse contexto, portanto, a formação acadêmica é um diferencial essencial para aumentar as chances de empregabilidade.

Muitos estudos e previsões têm sido realizados acerca do futuro, o chamado “novo normal” e, mesmo diante da redução do contingente de funcionários nas empresas, profissionais qualificados são elementos essenciais no enfrentamento da crise econômica atual e, portanto, possuem mais oportunidades e maior probabilidade de se manterem em seus cargos.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Semesp, em estudo que relaciona as taxas de empregabilidade e a formação acadêmica dos indivíduos, a previsão de demissões para aqueles que possuem graduação no ensino superior será quatro vezes menor em relação aqueles que possuem apenas o ensino médio completo.

A previsão de demissões para aqueles que possuem graduação no ensino superior será quatro vezes menor

Uma formação superior completa e de qualidade desenvolve no aluno, não apenas habilidades teóricas oferecidas em sala de aula e grupos de estudo e pesquisa, mas também habilidades humanas e práticas através de projetos de extensão, realização de estágios na área de formação e convívio com professores ligados ao mercado.

Além disso, é importante destacar que as adaptações e o entendimento dessa nova realidade por parte da própria instituição de ensino superior impactam de maneira positiva na formação do aluno, que estará preparado para enfrentar tais mudanças.

O ensino superior e seu poder transformador, portanto, são fatores essenciais e decisivos para que seja possível estar preparado, ter formação e currículo competitivos e, consequentemente, conquistar o tão desejado espaço no novo mercado de trabalho.

 

 

 

Veja também