A juíza e o ladrão de galinhas – parte II

Persio Isaac

CRÔNICA - Persio Isaac

Data 16/08/2020
Horário 05:02

Todos saíram frustrados, depois que o recalcado, calculista, engenheiro Brasil Washington A. C. Junior jogou um balde de racionalidade no plano para conquistar a sensual juíza. Robertinho ficou sem pai e sem mãe. Procura um apoio na filosofia de Nietzsche, que diz que: “Os desejos e a vontade se referem à vida, à nossa força vital, não especificamente ao bem ou ao mal, isso não passa de invenção, criação da moral dos fracos”. Resolve colocar o plano em prática. Colhe informações com o amigo Carlito. Você vai virar mesmo o ladrão de galinhas? Vou virar o que o diabo mandar. Ela trabalha na cidade de Gália. Achou interessante o nome dado de quem nasce em Gália: São chamados de “galienses”. Numa segunda-feira, Robertinho sai logo pela manhã. Chega à Gália com seu Camaro preto conversível. Chama a atenção dos galienses. Para numa padaria e pergunta: Bom dia, a senhora sabe onde posso achar galinhas? Galinha é a mãe seu atrevido, responde a velha senhora que é meio surda e confunde a frase da pergunta de Robertinho. O neto Esmeraldão, um tremendo vagabundo, vai saber o que está acontecendo: O que foi vó? Esse vivente me chamou de galinha. O que?  Esmeraldão, para provar sua significância, partiu pra cima do Robertinho sem pedir explicação. A polícia chegou e levou todos para a delegacia. O delegado João da Paz tomou o depoimento de todos os envolvidos.

O advogado da vó, Dr. Felismino das Dores, chegou com sede de justiça e pediu a prisão imediata do Robertinho. Populares, parentes, imprensa, começam a chegar à delegacia. O delegado, sentindo o momento de ganhar notoriedade, pois tinha interesse em disputar a Prefeitura como um candidato da moral e dos bons costumes, dá a ordem: Sargento, prende esse marginal da imoralidade. Robertinho apavorado pede para dar um telefonema. Liga para o amigo: Carlito, liga para o Dr. Alberto urgente. O que aconteceu? Deu certo? Roubaste a galinha? Deu merda. Você está aonde? Estou preso na delegacia de Gália. kkkkkk pqp. Carlito não brinca não, o povo tá revoltado, vem logo com o Dr. Alberto me tirar dessa gelada. Carlito liga para o Dr. Alberto explicando o ocorrido. Ué, mas o Robertinho ao invés de roubar uma galinha, chamou uma velha senhora de galinha? Não é isso Albertão, a velha entendeu tudo errado e o pau fechou com o neto dela. Dr. o povo tá chamando ele de Tarado do Camaro Preto. O povo tá achando que ele quis comer a pobre velhinha. Meu Deus do céu, esse mundo tá loco. Se assustam quando chegam à delegacia. Os populares com faixas e gritando: “Queremos justiça”.

O Dr. Alberto se apresenta como advogado do réu. Mas seu delegado isso aqui é um absurdo. Absurdo é o seu cliente chamar a nossa vó de galinha. Nossa vó? Seu delegado, por favor, o Sr. é um homem de bom A juíza e o ladrão de galinhas – parte II crônica 15 Persio Melem Isaac senso, está havendo uma confusão de entendimento da frase. O meu cliente perguntou para a “sua vó” aonde que ele poderia encontrar galinhas e ela entendeu que ela era galinha. Bom, isso a juíza Ornella é quem vai decidir quem está com a razão. Que legal. Como assim, que legal Dr? Não entendi essa euforia. Deixa pra lá delegado, me expressei mal. O plano deu certo do jeito errado Carlito. Vamos até a cela e preparar o meliante, comedor de velhinhas. Pô Albertão, não sacaneia o coitado né kkkk. Robertinho está cinco quilos mais magro, emocionalmente abatido, visto pelo povo e pela imprensa como um psicopata sexual. Chega ao Fórum de Camburão. É levado até a sala aonde vai acontecer a tão desejada audiência. Robertinho está de cabeça baixa, envergonhado, quando adentra a sala a bela juíza. Robertinho ergue seus olhos e se sente como Sansão quando viu a exuberante Dalila...

Veja também