A pior equipe de natação do TCPP

Persio Isaac

CRÔNICA - Persio Isaac

Data 10/11/2019
Horário 07:10

Era uma vez em Presidente Prudente, uma geração de jovens esportistas prudentinos que resolveram criar uma competição esportiva de várias modalidades entre os dois clubes rivais da cidade. Deram o nome de "PrudenTênis". O tênis era muito forte no futebol comandado pelo genial, Marquinho Macarini e no basquete pelo excepcional Antonio Carlos Vendramini. A prudentina tinha também ótimas equipes, mas seu ponto forte era uma equipe de natação fantástica liderada pelos irmãos Yudi e Jog.

As disputas em quaisquer modalidades eram duríssimas. A natação era o grande problema para o Tênis Clube. Mas, esses jovens audaciosos comandados pelo "Goiano" Célio Jão, resolveram criar a equipe justamente na madrugada de domingo, na brincadeira dançante da Prudentina. Célio, como líder falou: "Pode deixar comigo que no estilo "Borboleta" vou arrasar com eles". Eu, José Roberto Marcondes, Demétrio Zacarias e Tiago Marcondes iríamos nadar os outros estilos. Empolgados pelo alto grau etílico acreditaram nesta heresia. As sete horas da manhã (fui dormir às 6 horas) ouço uma voz me chamando: Persio, telefone. Não podia ser verdade, pois na casa da Av. W. Luiz 501, não se atende telefone, devo estar tendo um pesadelo. De novo a voz que até hoje não sei de quem é gritou: Persiooooo telefoneeee. Não é possível. Levantei mais pra lá do que pra cá, e antes tivesse mantido a tradição na casa da Av. W. Luiz 501 de não atender telefone, só vem notícia ruim como sempre fala meu irmão Sergio Izaac. Alô. Oh Magrão você não vem? Era o alemão, Tiago Marcondes. Vem pra onde? Pô Magrão, nós não combinamos ontem, vem pra prova de natação que só falta você (grande coisa). Pode vir que a água está quentinha.

Quando ouvi a palavra "quentinha", não sei porque acabou me despertando, e como um raio parti para fazer história. Chegando lá, todos estavam posicionados para a "Mãe de todas as batalhas". O goiano Célio Jão foi o primeiro com seu maiô vermelho até o umbigo. Quando pulou até me animei, deu duas vigorosas braçadas, eu gritei: Mata eles Primo. Doce ilusão. O Goiano não resistiu e afundou, ficando só com a metade do corpo na água fazendo os movimentos só com os braços e as pernas paradas, vendo o nadador Sapão voar na água. Mas que estilo é esse? Vexame total. Já comecei a ficar preocupado. Agora é a vez da nossa esperança, o rápido e futuro Dr. José Roberto Marcondes. Estilo Crawl era o seu forte estilo. Pulou de calção de futebol que me deu um novo ânimo. Nos primeiros 20 metros nem o lendário nadador, Adolfo Padilha, seria páreo, parecia o Principe Namur. Ledo engano.

Zé quando foi fazer a virada americana, errou o cálculo dando um forte impulso na água. Saiu carregado com estiramento na coxa. Que barbaridade, outro vexame. Agora é a vez de Demétrio que pulou na raia 1 e foi parar na raia 8 atravessando todas as balizas como se estivesse fugindo de um tubarão. Pra piorar começou a vomitar. Desagradável. Sobrou eu e o Tiago. Alemão estava trajado com uma bermuda de bolsos laterais que cabia uns 100 litros de água em cada bolso. Pulou e afundou como um tijolo. Lamentável. Chega a minha vez. Não demonstrei medo, estava apavorado. Tirei o calção e mostro ao mundo a pior tecnologia de um maiô para competições de natação: "O Maiô Toalha".

Era vermelho e feito daquelas toalhas felpudas que quando cai na água suga toda a piscina e fica pesando uns 300 Kg. Achei que ia abafar. Quando pulei na água gritei para o alemão: "Oh alemão, você não disse que a água estava quentinha"? Quase morri de hipotermia e para piorar o "Maiô Toalha" literalmente me levou pro fundo. Acabado esse vexame o goiano olhou para nós dizendo: "Pessoal precisamos treinar mais".  Vejam vocês.

 

 

Veja também