Ações de combate ao Aedes são intensificadas em PP

25 agentes comunitários de saúde e 15 de endemias deram continuidade ao mutirão que iniciou no feriado, na área 4 da cidade, para recolher entulhos

PRUDENTE - Oslaine Silva

Data 24/01/2016
Horário 05:36
 

As ações de combate ao Aedes aegypti, vetor de doenças como a dengue, zika vírus e febre chikungunya estão cada vez mais intensificadas em Presidente Prudente, por meio de trabalho conjunto entre as ESFs (Estratégias de Saúde da Família), VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal) e Prudenco (Companhia Prudentina de Desenvolvimento), e outros setores. Durante todo o dia de ontem, 25 agentes comunitários de saúde e 15 de endemias deram continuidade ao mutirão que iniciou no feriado (20), na área quatro da cidade, recolhendo todo tipo de entulho. Os bairros percorridos foram: Parque Alvorada, Jardim Brasília, Planalto, José de Souza, Sumaré, Chácara Marisa e Santa Mônica.

 

De acordo com o coordenador de supervisão da dengue das ESFs, Flávio Colaço, 39 anos, a expectativa era de conseguir recolher o mesmo montante de entulho que na quarta-feira, 25 caminhões. "Os agentes passam antes avisando aos moradores que estaremos nos locais para que coloquem tudo que possa ser um foco para a dengue. Tem sido positivo, a população tem colaborado", expõe o coordenador.

Jornal O Imparcial Por meio de trabalho conjunto, agentes percorreram bairros para recolher entulhos

Ana Aparecida Zonatto Martinez, 65 anos, estava na calçada à espera dos agentes logo cedo. Mas ela não tinha nenhum entulho em sua casa. Na verdade queria apenas acompanhar a movimentação do pessoal. "Eles fazem um trabalho excelente, buscando consertar as falhas da população, que é a maior responsável pela proliferação do mosquito e, consequentemente, pelos números absurdos de pessoas com dengue. Não é possível alguém conseguir entulhar tanto lixo dentro de casa. É muita falta de conscientização", indigna-se a moradora, que reside no alto da Rua Abílio Nascimento.

A dona de casa Vânia Santos Ribeiro, 39 anos, se preocupa. "Eu, assim como muitos, mantenho minha casa e quintal sempre limpos. Mas, se o outro não fizer o mesmo, não vai adiantar nada e minha família poderá estar exposta da mesma forma. Dá medo, tenho uma filha pequena. Se para um adulto já é difícil lidar com a dengue imagina para uma criança", pontua.

Segundo o supervisor geral da dengue das ESFs, Elder Franco, 40 anos, a maior dificuldade no combate ao Aedes aegypti sempre foi a não adesão das pessoas. Mas, isso tem melhorado. "Com o controle mecânico dos agentes, campanhas e ações, vamos fazendo o possível para mudar, ou melhorar, o cenário crítico que tem se estabelecido e não permitir que os números de casos aumentem", acentua o supervisor.

 

Por uma causa

Igrejas e poder público se unem aos setores de combate à dengue. Conforme nota, na sexta-feira, o Comitê de Mobilização, Acompanhamento e Assessoramento das Ações de Controle da Dengue e da Leishmaniose Visceral Americana, VEM, o promotor de Justiça, Mário Coimbra, e o bispo Diocesano, dom Benedito Gonçalves dos Santos, definiram algumas datas em que as igrejas católicas exibirão um vídeo de combate ao Aedes aegypti. E também distribuirão folhetos que mostram os sintomas e sinais das doenças, e as formas de prevenção.

A primeira ação ocorreu ontem mesmo na missa das 20h, na Paróquia Nossa Senhora Desatadora dos Nós, no Brasil Novo. Hoje, a iniciativa será na Catedral São Sebastião, na missa das 8h e 19h. A iniciativa também será pontuada no Rebanhão, que será realizado de 6 a 9 de fevereiro.

No dia 17 de fevereiro, cerca de 100 pessoas, entre padres e secretários das igrejas, participarão de uma capacitação de combate ao mosquito. No dia 5 de março será o Dia D de Combate à Dengue, quando todos os integrantes das igrejas e paróquias percorrerão as ruas dos bairros, das 9h às 11h, a fim de conscientizar o maior número de pessoas, "o que deve englobar praticamente toda cidade".

Veja também