Baile Perfumado

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista que "votou" em Joe Biden para o cargo de presidente do mundo (ou seria dono do mundo?)

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 06/11/2020
Horário 05:30

Era um baile lá na roça, mais precisamente no sítio do Nhô Nonato, que todo sábado montava uma lona no terreiro do café e lá mesmo as moças e os rapazes do Sertão do Laranjinha mostravam suas habilidades no arrasta-pé. De um modo geral, o sanfoneiro só tocava isso, mas de vez em quando, a pedidos, sapecava uma valsa ou um valseado. 
No centro do terreiro, Nhô Nonato colocava um lampião. Era a única iluminação, pois naquela época, início dos anos 60, não tinha luz elétrica na região. A iluminação era mínima e, assim, aquilo mais parecia o baile do escurinho. Dançando no escurinho, enfim. Os rapazes mais atrevidos adoravam, e o que eu quero dizer é que a mão boba corria solta. Dificilmente o engraçadinho abusado era pego em flagrante.
Assim que o sanfoneiro começava a tocar, os bancos onde as garotas e os marmanjos se sentavam ficavam vazios. A dança era a do tipo limpa banco. Todo mundo dançava, com exceção do Feitosa, um rapaz franzino, feioso e quase nanico. Talvez por ser mais feio do que o processo eleitoral dos EUA, as moças não davam a mínima para ele. Bem que o Feitosa tentava "tirar" garotas para dançar, mas debalde e confesso que gostei desse debalde, palavra completamente em desuso nestes tempos bicudos.
Amigos tentavam confortá-lo. "Calma, rapaz, logo aparece uma mulher que aceita o teu  convite para dançar", disse um colega do "rejeitado". Sentindo-se humilhado e desprezado, ele resolveu se "vingar". Dizem que o que o Feitosa fez foi uma pegadinha, enfim, uma brincadeira de bom gosto, quer dizer,  de mau gosto.
Uma vez, lá pela meia-noite quando o baile "pegava fogo", ele teve uma crise de diarreia e, numa moita próxima, foi se livrar da, digamos, crise intestinal. Aliviado, o rapaz pegou umas folhas de capim colonião e "improvisou" uma  vassoura. Depois, o Feitosa "melou" o capim no excremento e voltou para o baile.
Sem ninguém perceber por causa da iluminação precária, ele, ao de leve, percorreu o terreiro e tocou a "vassoura" nos vestidos das "minas" e nas calças dos  marmanjos. Logo sentiram o mau cheiro. Algo não estava bem. Tremendo mal-estar. O  sanfoneiro parou de tocar. Foi aí que uma moça falou para uma amiga: "Nossa, olha a mancha no teu vestido". A outra retrucou: "No teu também".
Entre os rapazes a situação também era igual. Também logo perceberam que vários foram "marcados pela tinta", Afinal, o que aconteceu? Àquela altura do baile, o Feitosa já estava longe e ninguém desconfiou do feioso que numa noite de sábado foi o responsável pelo "baile perfumado", perfume que ele mesmo produziu.     
  
DROPS

Perguntinha inocente: já colocaram camisa de força no Trump?

Quem com ferro fere nem sempre com ferro será ferido.

Cada um no seu quadrado ou no seu retângulo?

Mais uma perguntinha inocente: precioso líquido é a água ou a gasolina?
 

Veja também