Caminhoneiro de Regente Feijó desaparece no Rio Amazonas

Anderson da Silva Rocha, de 48 anos, estava em uma balsa transportadora, e desde 3 de julho não foi mais visto; esposa comentou sobre o caso e a angústia vivida

REGIÃO - GABRIEL BUOSI

Data 31/07/2020
Horário 06:25
Cedida - Anderson está desaparecido desde o dia 3 de julho  Foto: Cedida - Anderson está desaparecido desde o dia 3 de julho 

Desde o dia 3 de julho, a família do caminhoneiro de Regente Feijó, Anderson da Silva Rocha, 48 anos, vive a angústia de não ter notícias sobre o seu paradeiro. Isso porque, naquele dia, ele estava em uma balsa transportadora que saiu de Santarém (PA) com destino a Manaus (AM) e, desde então, não foi mais visto, tendo desaparecido no caminho percorrido pelo Rio Amazonas. A esposa, que é manicure, Fátima Rocha, 40 anos, afirma que a história tem muitas lacunas e muito a ser esclarecido. “Prefiro acreditar que ele está perdido na mata e que logo será encontrado. Tenho fé”, desabafou com a reportagem. 
Esta não foi a primeira vez que o caminhoneiro realizava a viagem por aquela balsa transportadora, o que causou estranheza por parte da esposa o fato de que, no dia 3 de julho, ele ter conversado com ela por volta das 8h30 e depois não ter dado mais notícias pelo celular. Ocorre que, no entanto, a última visualização dele no aplicativo de mensagens ocorreu às 15h27. “O que eu me questiono é o fato de ele ter visto supostamente o celular à tarde e não ter respondido minhas mensagens. Ele nunca faz isso”, aponta Fátima. 
Os tripulantes da balsa, no entanto, alegam que o desaparecimento teria ocorrido entre a noite do dia 4 de julho e a manhã do dia 5 de julho, visto que, supostamente, Anderson teria aparecido para jantar naquela noite do dia 4, mas já havia sumido na manhã do dia seguinte, quando não apareceu para o café da manhã. “Até o início desta semana eu praticamente não tive retorno nenhum sobre toda a investigação ou como estavam as coisas por lá. Até que um delegado me ligou e afirmou ter escalado um investigador para o caso”. Por isso, já nos próximos dias, novos desdobramentos do caso serão feitos, como ouvir novamente os envolvidos no caso. 
Mesmo com uma angústia no peito, e da família, composta por dois filhos do casal, uma menina de 19 anos e um menino de sete – além de três filhas do primeiro casamento – a família, mesmo com inúmeras teorias sobre o que teria ocorrido, prefere engolir as palavras, por não ter qualquer tipo de evidência sobre o que acredita. “Neste momento, infelizmente, nos resta apenas aguardar as investigações e acreditar que logo ele estará em casa”, diz a esposa. 

Andamento das investigações

A reportagem entrou em contato com a Marinha e com a Polícia Civil do Amazonas para saber como estavam as investigações. Por meio de nota, a Marinha do Brasil afirmou que as buscas ao caminhoneiro desaparecido, que navegava no Rio Amazonas, iniciaram no dia 6 de julho, no município de Urucurituba (AM) e seguiram até o município de Parintins (AM), estendendo a operação de busca e salvamento a 20 milhas náuticas à jusante do município de Parintins, totalizando 163 km percorridos. 
“O inquérito instaurado encontra-se em andamento e, assim que concluídas e cumpridas as formalidades legais, será encaminhado ao Tribunal Marítimo, que fará a devida distribuição e autuação”, o qual dará vista à Procuradoria Especial da Marinha para que adote as medidas cabíveis, conforme a nota. 
A Polícia Civil do Amazonas não retornou o contato da reportagem.

Veja também