Ciop aponta que 65% dos pacientes recebidos em UPAs poderiam ser atendidos em UBSs de PP

Estudo divulgado pelo consórcio leva em consideração os 19.139 atendimentos realizados por ambas as unidades de pronto atendimento da cidade durante o mês de maio

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 08/06/2022
Horário 14:42
Foto: Arquivo
Durante mês de maio, foram recebidos 10.771 pacientes na unidade da zona norte
Durante mês de maio, foram recebidos 10.771 pacientes na unidade da zona norte

O Ciop (Consórcio Intermunicipal do Oeste Paulista) aponta que, com o avanço dos números de dengue e a retomada dos casos de Covid-19 em Presidente Prudente, as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) sofrem com o acúmulo de atendimentos nos últimos dias. Durante o mês de maio, foram recebidos 10.771 pacientes na unidade da zona norte e realizados 8.368 atendimentos na do Ana Jacinta, ambas totalizando juntas 19.139 registros. Entretanto, segundo dados coletados pelas unidades, 65% dos pacientes que procuram os serviços de urgência e emergência das UPAs poderiam ser atendidos nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde).

Os munícipes podem buscar as unidades básicas de saúde para atendimentos completo de doenças, encaminhamento para especialistas, consultas, exames, vacinação e farmácia. "Vale destacar que as unidades de pronto atendimentos não fazem acompanhamento de doenças, nem exames que não sejam de emergência", expõe o Ciop.

Segundo o diretor de saúde do consórcio, além da grande procura, as unidades também enfrentam o problema da disponibilização de vagas para internação. Hoje, 13 pacientes estão na UPA do Ana Jacinta e outros 23 na UPA da Zona Norte aguardando vagas por meio do Cross (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde), totalizando 26 pacientes hospitalizados em um serviço que deve ser apenas de urgência e emergência.

A este respeito, em nota enviada à reportagem em maio, o DRS-11 (Departamento Regional de Saúde) de Prudente informou que monitora a situação e está em diálogo com os gestores locais com o objetivo de oferecer a assistência necessária para a população.

Esclareceu ainda que o Cross é um serviço que auxilia na transferência entre serviços. "O papel da Cross, que funciona 24 horas por dia, não é criar leitos, mas auxiliar na identificação de uma vaga no hospital mais próximo e apto a cuidar do caso. Nenhuma negativa parte deste serviço, que é apenas intermediário", afirmou.

Veja também