Publicidade

Covid-19: A estética na pandemia

O ramo da estética é um dos que mais crescem atualmente no Brasil. Na mesma crescente, as pessoas têm procurado profissionais cada vez mais capacitados para realizarem diferentes procedimentos estéticos, como tratamentos corporais, faciais, capilares, pós-operatórios de cirurgias plásticas, no ramo da maquiagem, depilação, designer de sobrancelha e visagismo. Atualmente, sabe-se que o profissional com curso superior em estética atua em diversas áreas. O que vai além do simples “passar creme”, como já foi confundido antigamente, hoje, o ramo da estética é amplo e valorizado. 
Mas uma área que poucos sabem que o profissional da estética atua é com a aplicação de práticas complementares/integrativas. O esteticista, através do conhecimento adquirido na graduação, aplica tratamentos que atuam no bem-estar físico, mental e energético, tanto na prevenção como na melhora da saúde do indivíduo. Uma vantagem que faz com que essas técnicas tenham aumentado o número de profissionais e pacientes que realizam e recebem é o fato de não serem medicamentosas, mas muito eficazes.
Essas técnicas são indicadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e pelo Ministério da Saúde do Brasil, reconhecendo a importância dos tratamentos para o bem-estar geral, promoção e manutenção da saúde do indivíduo, favorecendo uma maior credibilidade ao profissional que a aplica. Devemos tomar cuidados com técnicas sem fundamento científico, com falsos “milagres”, pois prejudicam a saúde.
Aí vem a grande pergunta: o que o profissional da estética e cosmética tem a ver com a pandemia? A procura por profissionais capacitados para atuarem direta ou indiretamente com a pandemia vem crescendo consideravelmente, pois observa-se que as sequelas vão além dos sintomas respiratórios, do isolamento social e quadros de medo, ansiedade e depressão. O profissional da estética pode atuar de forma direta em algumas queixas, aplicando os tratamentos complementares: o uso de aromaterapia para aumentar a imunidade, atuar no emocional, em tratamentos capilares como quedas de cabelo.
As técnicas energéticas, como o shiatsu e a reflexologia podal, por exemplo, aumentam a imunidade, auxiliam na melhora dos sintomas respiratórios quando associados ao tratamento médico e fisioterapêutico, melhoram a disposição, favorecem o relaxamento e atuam no emocional. Outras técnicas complementares/integrativas como a cromoterapia, acupuntura auricular, do-in, também podem ser realizadas. 
Como o próprio nome diz, elas complementam os tratamentos de saúde convencionais realizados. Diante disso, neste quadro de pandemia, observa-se que o esteticista e cosmetólogo estão cada vez mais integrados dentro de uma equipe interdisciplinar, valorizando os profissionais e oferecendo um tratamento eficaz, tornando a profissão da estética fundamental ao combate as sequelas deixadas pela Covid-19.
 

Publicidade

Veja também