Crianças e jovens consomem álcool e drogas em "rolezinho”

Para tentar solucionar o “problema", ocorrido todas as sextas-feiras, geralmente das 20h às 23h, em Prudente, Polícia Militar programa ação conjunta com Prefeitura e Conselho Tutelar

PRUDENTE - MELLINA DOMINATO

Data 12/02/2017
Horário 10:01
 

Um cenário registrado todas as sextas-feiras, em média, das 20h às 23h, na Rua Bertioga, em Presidente Prudente, ao lado do estacionamento do Prudenshopping, há pelo menos um ano, tem exigido empenho da Polícia Militar. Pelo menos 200 jovens, a maioria com 14 e 15 anos, se reúnem em meio à via pública e promovem o famoso "rolezinho" – encontros simultâneos de centenas de pessoas geralmente marcados pela internet. Moradores e empresários que atual no local denunciam que as festas são marcadas pelo consumo de drogas e de bebidas alcoólicas, pela música alta e pela "pegação". A insegurança impede os residentes de saírem de casa nos dias de aglomeração e a situação encontrada nas manhãs de sábado é gritante: calçadas tomadas por garrafas vazias, cacos de vidro e camisinhas usadas.

Jornal O Imparcial Cenário registrado na manhã de sábado pelos moradores é de sujeira

Os moradores e empresários dos arredores, que preferiram não se identificar por medo de represálias, declaram que já houve, inclusive, necessidade de disparos de bombas de efeito moral pela PM para dispersar os presentes, fato que se deu no fim do ano passado. Crianças com 7 e 8 anos, que vão ao local acompanhar irmãos mais velhos, são vistos consumindo álcool. "Os pais deixam esses jovens no shopping, ou estes saem de casa dizendo para vão para o shopping, mas todos vêm para a rua, onde promovem arruaça, ficam bêbados, fumam maconha, transam e enfrentam a PM", diz um denunciante.

O proprietário de um estabelecimento existente nas proximidades, acusado de comercializar as bebidas alcoólicas aos jovens, conta que já tomou diversas providências, no entanto, até o momento, nada conseguiu acabar com o "rolezinho". "Contratamos seguranças para dispensar estes adolescentes, pois se entram vários de uma vez no local, eles roubam os produtos. Ainda, a partir de agora vamos exigir o número do RG daqueles que estão comprando a bebida, pois senão eles sempre mandam um maior de idade para comprar para os menores", relata.

Um morador afirma que no período da festa, a rua é tomada por carros com som alto e motos empinando. O som rola solto e a via se torna uma espécie de baile funk. Lembra que o estacionamento do Prudenshopping, cuja saída dá na Rua Bertioga, chegou a ser invadido pelos jovens, que insistiam em promover algazarra. "Os pais precisam ficar atentos ao que seus filhos estão fazendo, pois a responsabilidade é deles. Quando a PM aparece, esses jovens correm para o Parque do Povo. Então, não adianta a polícia atuar enquanto os responsáveis nem sabem o que estes jovens estão fazendo, o problema que estão provocando para a sociedade", lamenta.

 

Providências


O porta-voz do 18º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior), capitão Carlos José Olivetti Fernandes, frisa que a PM tem conhecimento dos fatos e já realizou por diversas vezes a Operação Saturação no local, com o intuito de inibir abusos e a prática de atos infracionais. Para tentar solucionar o "problema", destaca que uma nova ação esta sendo planejada, desta vez em parceria com o poder público municipal, por meio da Sedepp (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico), e o Conselho Tutelar. "Esclareço que a concentração de jovens naquele local, provocando algazarras, consumindo bebidas alcoólicas e perturbando o sossego público, especialmente nas noites de sexta-feira e sábado, tem sido frequente. O público é formado basicamente por adolescentes", expõe.

O Conselho Tutelar, por outro lado, ressalta que também tem conhecimento do "rolezinho", mas "informalmente". Destaca que a atuação da entidade se dá somente quando o direito da criança é violado. "Se a polícia for acionada e identificar um adolescente em situação de risco ou em violação de direitos dele, o conselho é acionado", relata. "Já se for caso de concentração de jovens, encontros, festas em locais abertos, aí não é atribuição do conselho fiscalizar", complementa a entidade.

Já o Prudenshopping se posiciona como um centro de compras com abrangência regional e que "atrai um grande número de visitantes, principalmente nos finais de semana". Justifica que o ocorre do lado de externo do empreendimento não é passível de sua atuação ou controle. "Sempre que acionado, o Prudenshopping contribui com a Policia Militar e demais órgãos de segurança", conclui.

 

Veja também